Rômulo Costa: O batidão da legalidade

Jovens sabem o que significa para a mãe deles ter o remédio contra diabetes, o remédio de pressão de graça nas farmácias

Por O Dia

Rio - É fato que ninguém está satisfeito com o governo, mas é fato, também, que o povo brasileiro odeia golpe. Converso com pessoas na rua, com jovens nas comunidades, com a garotada que adora o Lula e sabe muito bem o que aconteceu no país nos últimos anos. Que o salário mínimo antes de Lula era de 80 dólares, e hoje é três vezes maior; que tem muito mais escolas técnicas, muito mais universidades; que tem o Fies, o Prouni, mais de 5 milhões de moradias do Minha Casa Minha Vida. Esses jovens sabem o que significa para a mãe deles ter o remédio contra diabetes, o remédio de pressão de graça nas farmácias.

Depois de tantos avanços e conquistas, não dá para aceitar ver o país paralisado há dois anos por causa de disputa entre grupos partidários. Parte da população foi convencida de que derrubar Dilma resolverá os problemas do Brasil. O Congresso não vota nada para ajudar o país a sair da crise porque tem parte que quer dar o golpe para assumir o poder, argumentando que “o país não pode ficar parado”.

Não há nada que justifique o impeachment. E é o deputado Eduardo Cunha, um dos maiores corruptos do país, que o comanda. Cunha é, comprovadamente, um criminoso, flagrado com milhões de dólares em paraísos fiscais. É este o homem que manobra, junto com Michel Temer e seus pares, o processo para a derrubada da presidente eleita democraticamente. Isto é inconcebível. É Cunha que o Brasil quer ver preso, para o Congresso voltar a funcionar, para o Brasil enfrentar a crise econômica mundial e voltar a andar para frente.

Dilma não tem conta no exterior, nem há prova de crime contra ela, assim como Lula. Mas há contra Cunha dezenas de processos e provas abundantes, assim como há contra a maioria dos defensores do golpe no Congresso.

Por isto, nas comunidades que a gente vai, as pessoas odeiam Cunha e o golpismo. Mesmo não gostando da Dilma, eles sabem das conquistas do Rio. Do novo Porto Maravilha, os BRTs e muitas outras obras que ficarão como legado das Olimpíadas.

Por isto também, vão para a rua, domingo, a partir de 9h, na Avenida Atlântica, na manifestação ‘Funk Contra o Golpe!’. Na expectativa que a oposição espere mais dois anos e apresente seu candidato para disputar as eleições em 2018.

Rômulo Costa é empresário


Últimas de Opinião