Fernando Scarpa: Um dia de Cannes

Vi artistas empunhando cartazes, vergonhosamente, distorcendo a realidade dos fatos aqui ocorrido

Por O Dia

É questão de cisma ou amor ao argumento? Não sei, creio que levará anos para resposta definitiva, se é que há! Alguns se apaixonaram perdidamente pela crença de que estamos vivendo um golpe de Estado, como se o atual presidente interino tivesse tomado o poder na marra, decapitando a presidente à força. Houve pleno direito de defesa e recusa, por ora, em aceitar a suposta sentença que ainda não chegou ao fim, e pode ser revertida caso se prove o contrário.

Vi artistas no Festival de Cannes empunhando cartazes, vergonhosamente, distorcendo a realidade dos fatos aqui ocorridos, usando, inclusive, dinheiro do contribuinte. Golpearam a si mesmos e parte do povo brasileiro que não comunga da mesma opinião. Falta de noção apoiar o comunismo naquele evento capitalista. Não combina com o tapete vermelho que ali simboliza o luxo e a riqueza. É o Brasil caipira! Logo tu, Sonia Braga? Não tinham o direito a essa calúnia. Sei que serei xingado pelo dito, há ódio extremo para os que não pensam como o PT.

O vice foi uma escolha da sra. Vana Rousseff — cansei de chama-lá pelo primeiro nome —, em plena lua de mel entre os partidos, e sem nenhuma consulta prévia ao povo. Dos propagados milhões de votos recebidos estão eleitores do PMDB. Ela não foi eleita somente pelo PT. Isso é fato impossível de ser desconsiderado. Qualquer que tivesse sido a aliança à época, Vana já nos constrangia ao querer se eleger com o vice escolhido por ela. Não tinha saída, ela, na ocasião, encarnava a saída e a esperança para a maioria de nós, prometeu o paraíso e nos deu o inferno.

A divisão que hoje acontece entre nós brasileiros nasceu da escolha dela, boa ou má. A resposta virá nesses 180 dias de exercício do vice eleito constitucionalmente. A ruptura entre eles se reproduziu dentro das nossas casas, com nossos amigos em lados opostos, “gozando” com a rota frase: “Não vai ter golpe!”. Brigas desnecessárias, sentimentos menores, como torcidas de futebol, nos agredimos violentamente, são tempos bárbaros.

Se houve ou não golpe, o veredicto final virá do Senado, contestado por um pedaço da Nação e aplaudido por outra. Unanimidade numa sentença como essa sempre será ilusão. Enquanto houver dois lados, sempre haverá conflito. Neste caso, insolúvel ao que tudo indica, são muitos interesses em jogo.

Últimas de Opinião