João Tancredo: Política de segurança ineficaz e sangrenta

Além do alto custo num momento de grave crise financeira do estado, incluindo a Segurança, tais investidas causam pânico e derramamento de sangue

Por O Dia

Rio - Há todo o sentido na polêmica sobre a busca incessante da polícia ao foragido Fat Family, resgatado de dentro de um hospital. Afinal, a logística da captura, mobilizando inúmeros batalhões da Polícia Militar, não parece privilegiar a inteligência investigativa e operacional. Além do alto custo num momento de grave crise financeira do estado, incluindo a Segurança, tais investidas causam pânico e derramamento de sangue. São ações aparentemente desordenadas e ineficazes, que põem em risco cidadãos inocentes.

Nas últimas semanas foram várias incursões na Zona Norte e Oeste, Centro e Baixada, contando com homens de quase 30 batalhões da PM. Foram presas mais de 100 pessoas, mas o acusado não foi localizado, tampouco nenhum suspeito ligado a ele.

No entanto, o rastro deixado foi de muita troca de tiros, mortos e feridos. E nessa linha de fogo estavam moradores e crianças apavorados e indefesos diante de um clima de terror. É evidente que a política de segurança pública no Brasil estabelece um estado de guerra, criado e reproduzido pelo próprio poder público há décadas. A filosofia de combate armado ao inimigo e de guerra às drogas é falho e só provoca mortes, chacinas e o crescimento da violência. Um sistema que se mostrou um fracasso e, por isso, já foi abortado por países como Holanda, EUA e Portugal, que repensam a política.

Nessa lógica de guerrilha, ninguém vence, e todos sofrem. Os policiais, orientados para a violência, são mortos, torturados e adoecem. Do outro lado da ‘trincheira’ há um exército com reserva interminável fornecido por um Estado que ignora garantias constitucionais básicas. Os direitos à Educação, à Saúde e a moradia são grandes mitos do folclore brasileiro. Em pleno século 21 ainda deparamos com essa negligência do Estado, que não oferece para grande parcela do povo condições dignas de vida. O funk ‘Tá tudo errado’, dos MCs Júnior e Leonardo, ilustra essa questão quando diz “o futuro da favela depende do fruto que tu for plantar”.

Portanto, enquanto pessoas morrem nas filas de hospitais, crianças ficam sem escola, professores, sem salários, e famílias, sem casa e terra, a política de segurança pública se mostra, cada vez mais, uma grande e cara máquina de enxugar gelo.

João Tancredo é advogado

Últimas de Opinião