Fernando William: O devir da Câmara Municipal

O município até agora parece estar preservado, com sua capacidade de gestão sem crises graves aparentes, mas o cenário já sinaliza a contaminação, caso não se tomem providências imediatas

Por O Dia

Rio - Há uma crise institucional sem precedentes no Brasil, com um governo cercado por delações premiadas que envolvem toda a sua cúpula, e casas legislativas desmoralizadas, não apenas pelo envolvimento de muitos de seus membros em episódios de corrupção.

No Estado do Rio tivemos dois governadores presos, sendo que um permanece com denúncias gravíssimas de desvio de dinheiro público, enquanto faltam recursos para o pagamento do funcionalismo.

O município até agora parece estar preservado, com sua capacidade de gestão sem crises graves aparentes, mas o cenário já sinaliza a contaminação, caso não se tomem providências imediatas. O prefeito, ainda que pareça não saber o que fazer em detalhes, aponta para o corte de despesas, já que o orçamento encolheu R$ 3 bilhões. O defensável, porém, é que se busque aumento de receita sem impactar mais no bolso do contribuinte.

Neste cenário, resta a Câmara de Vereadores, que precisa dar exemplo de boa conduta, eficiência e colaboração efetiva para blindar a cidade da crise. Somos o segundo estado brasileiro em PIB, com economia maior que os países da América Latina.

Para isso, é preciso mudanças que demonstrem esta intenção. Na lista de tarefas, a redução de gastos e devolução de recursos carimbados para Educação e Saúde; a redução do recesso parlamentar para um mês, como trabalhadores; a total transparência de suas atividades; cobrar o trabalho efetivo das comissões, evitando dar parecer na hora da sessão (oral).

As comissões, por sinal, precisam prestar contas mensais de suas atividades, e essas informações precisam ir para o portal da Câmara. E como uma mudança chama outra, a Câmara deveria estabelecer prazo máximo para votação de projetos, limpando permanentemente sua pauta.

Proponho, para essa nova Câmara, regras mais rígidas para o controle de faltas dos vereadores, entre outras medidas que passem a imagem de que o Rio, como caixa de ressonância do país que é, quer, de fato, dar exemplo de mudanças que renovam o perfil do Poder Legislativo e dê esperança de renovação das demais instituições vitais à democracia do país. Nada é permanente, exceto a mudança.

Fernando William é vereador pelo PDT

Últimas de Opinião