Nelson Vasconcelos: Ler sem preconceitos

Você acha que, para escrever um livro, basta ligar o computador e sair digitando as palavras que aparecem na sua cabeça? Que nada. Nos bons livros, é tudo muito bem pensado

Por O Dia

Rio - Tenho um amigo que desistiu do Facebook porque estava muito infeliz. Só via besteira, só lia notícia ruim, e a brincadeira se tornou uma grande perda de tempo. Diz que agora está mais tranquilo. Que bom. Mas vale lembrar que quem escolhe os ‘amigos’ do Facebook é você mesmo.

Se você os escolheu e agora estão incomodando, basta voltar atrás, bloqueá-los, desistir deles. É a mesma coisa em relação aos “políticos que estão aí”. Quem os escolheu fomos nós, mandato após mandato. Mas não vamos falar de políticos, os eternos vilões.

A propósito, acabo de ler em ‘Sou fã! E agora?’, da Frini Georgakopoulos, uma frase interessante: “O vilão não se vê como vilão. Para ele, ele está certo do que quer, do que está fazendo. É o herói, o mocinho, que o impede de conquistar o que deseja.” Bem sacado. Será por isso que políticos não se enxergam como vilões?

Diga-se, aliás, que aprendi bastante com o livro da Frini. Aparentemente direcionado aos leitores mais jovens, ele não decepciona os mais experientes. Mais que isso, consegue abrir nossa cabeça em relação à literatura, chutando para longe quaisquer preconceitos contra estilos e gêneros.

Com bom humor e objetividade, Frini nos mostra como as boas histórias são estruturadas e alguns truques na composição de personagens e enredos. Ou você acha que, para escrever um livro, basta ligar o computador e sair digitando as palavras que aparecem na sua cabeça? Que nada. Nos bons livros, é tudo muito bem pensado.

No fim das contas, Frini nos ensina a ler com mais sagacidade, descobrindo segredos, curtindo cada página. Além disso, olha que interessante, ela dá até dicas de como criar eventos no mundo literário — que podem garantir uma grana para quem se aventurar. Frini entende do babado. Ponto pra ela, que acabou escrevendo um pequeno livro de referência, daqueles que merecem ser guardados.

Ponto também para os leitores que estão colaborando com esta humilde coluna. Seus comentários são sempre bem-vindos — sobretudo, quando bem-humorados, como de costume. E já que estamos nesse momento mais pessoal, segue um convite.

Até o próximo dia 24, quem passar pelo West Shopping, em Campo Grande, pode colaborar com a campanha ‘Doe asas para a imaginação’, que arrecada livros didáticos e paradidáticos para instituições sociais. É uma boa maneira de estimular a leitura da galera. Se todos fizerem uma parte, a coisa funciona.

Nelson Vasconcelos é jornalista

Últimas de Opinião