Alunos de universidades estaduais estão com bolsas atrasadas

Na Uerj, cotistas estão sem previsão para o pagamento de janeiro. Já na Uezo, eles não recebem desde novembro

Por O Dia

Rio - A crise econômica do Rio de Janeiro também atingiu o pagamento de bolsas dos alunos das faculdades estaduais. No caso da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj), o valor referente a dezembro, que deveria ter sido pago no mês passado, foi depositado nesta sexta-feira, mas os estudantes continuam sem previsão de recebimento do benefício de janeiro, que era para ser dado neste mês. E os jovens que fazem estágio, monitoria ou pesquisa estão sem a bolsa desde dezembro. Já na Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo) a situação é ainda pior: eles não recebem o dinheiro desde novembro do ano passado.

Os alunos alegam que a bolsa — que custa R$ 400 tanto na Uerj quanto na Uezo — ajuda a pagar a alimentação no bandejão das universidades, além de contribuir no valor da passagem, principalmente das pessoas que precisam pegar metrô, trem e ônibus intermunicipais.

Esse é o caso de David Barbosa, de 18 anos, estudante de Jornalismo na Uerj. Ele mora em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e utiliza o dinheiro para o transporte. "Eu conto com essa bolsa também para pagar um curso de francês. Meu pai já ajudou na outra vez que tinha atrasado. Como a minha monitoria é durante a tarde, uso o dinheiro para almoçar fora do bandejão, quando lá está cheio", contou o jovem, do 5º período.

LEIA MAIS

Em crise, Uerj suspende aulas por uma semana

?Estudante acusa servidor público de agressão na Uerj

Uerj segue ocupada após justiça negar reintegração de posse

Estudante de Ciências Biológicas na Uezo, Marcos Requieri, de 20 anos, está na mesma situação. Ele não recebe o valor desde novembro. "Por enquanto estamos de férias, mas quero ver quando as aulas voltarem. A situação vai ficar ainda pior", lembrou.

A Uezo divulgou um comunicado no início deste mês informando que a universidade sofreu "uma redução muito brusca na sua cota financeira" em dezembro e que este valor "é uma parcela de crédito disponível para a execução de despesas públicas". Além disso, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) afirmou ainda que a "redução fez atingir um nível mais baixo do que o mínimo necessário para a Uezo" pagar algumas despesas, como a bolsa de cotistas. Procurada, a faculdade não deu um novo posicionamento até a publicação desta reportagem. 

Já a Uerj deu a mesma informação que já havia publicado no seu site no dia 28 de janeiro. A direção destacou que ainda não recebeu "o repasse dos recursos necessários" para pagar as bolsas. A ProIniciar, programa que cuida do benefício dos cotistas, publicou no seu site que o pagamento cairia a partir desta sexta-feira, de forma escalonada. 

E a Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, que é responsável por repassar a verba às universidades estaduais, informou que "as bolsas de dezembro, que venceram dia 17 de janeiro" seriam pagas nesta quinta-feira. No entanto, os alunos só começaram a receber nesta sexta-feira.

A secretaria disse ainda que no dia 17 de fevereiro vão vencer os valores de janeiro e que, na semana que vem, é possível que haja uma divulgação de um calendário para esses pagamentos.

Com reportagem de Rita Costa

Últimas de Rio De Janeiro