Número de casos de dengue aumenta no Rio, segundo levantamento

Secretaria Municipal de Saúde registrou 1.405 casos entre o dia 1º de janeiro e 11 de fevereiro deste ano

Por O Dia

Rio - O pânico com os efeitos da zika reduziu os holofotes sobre uma velha inimiga dos cariocas: a dengue. Os números da doença, no entanto, seguem assutadores e crescentes. Entre primeiro de janeiro de 2016 e 11 de fevereiro, 1.405 casos foram notificados no Rio, segundo mapa da Secretaria Municipal de Saúde. Significa um aumento de 245%, se comparado com os dois primeiros meses de 2015: 407 doentes.

Em todo o estado, a proporção de crescimento da doença não é menos preocupante quando comparados os números de janeiro de 2015 com os de 2016. O aumento de infectados pela dengue é de 150%. Nos prinmeiros 31 dias do ano passado foram 2.586 notificações, contra as 6.467 atuais, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde.

A Cidade do Rock%2C na Barra da Tijuca%2C virou um criadouro de mosquito Aedes aegypti%2C que transmite dengue%2C zika e chikungunya. Há vários focos de água parada no local.Estefan Radovicz / Agência O Dia

No Brasil, entre 3 e 23 de janeiro, a elevação foi de 48%, na comparação entre os dois anos. Em 2015, foram 49.857 registros, contra 73.872 casos, no mesmo período de 2016. O boletim aponta ainda a confirmação de quatro óbitos por dengue, o que representa uma redução de 92% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando foram confirmados 50 óbitos.

MICROCEFALIA

Os dados de microcefalia também continuam em ascensão, conforme o último boletim epidemiológico divulgado ontem pelo Ministério da Saúde (MS). O relatório indica aumento de 404 para 462 casos confirmados da síndrome apenas nos últimos dez dias. Significa 58 novos doentes num período muito pequeno de tempo. Desses 58, o vírus Zika foi encontrado em 41 crianças. Dois doentes, entre os confirmados, moram no Estado do Rio. O governo local investiga 214 outras notificações. No Brasil, já são 3.852 suspeitos.

“Cabe esclarecer que o Ministério da Saúde está investigando todos os episódios de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central e a possível relação com o vírus Zika”, diz o boletim.
O Ministro da Saúde, Marco Castro, informou que o governo federal está empenhado dia e noite para combater a zika. Ele participa amanhã, em São Paulo, das ações do Dia Nacional de Combate à doença.

Segundo o Ministério, 765 suspeitas de microcefalia foram descartadas após análises mais criteriosas. Todos os números se referem ao período de 22 de outubro de 2015 a 6 de fevereiro de 2016. O Ministério informa também que foram notificados 91 óbitos de bebês com microcefalia.

Secretaria reconhece falta de kits para testar doença

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio admitiu que os kits para diagnosticar a dengue estão em falta no estado e que os estoques já estão vazios. De acordo com a Secretaria, a responsabilidade pelo fornecimento do material é do Ministério da Saúde.

Segundo o órgão estadual, o Ministério não envia, desde julho de 2015, a quantidade suficiente de kits para o Laboratório Central de Saúde Pública Noel Nutels, vinculado à rede estadual de saúde, e responsável pela realização dos exames.

Com a falta do produto, os pacientes com suspeita da doença fazem o exame, mas as amostras de sangue coletado ficam armazenadas para que a testagem seja realizada posteriormente.

O Ministério da Saúde informou, por meio de nota, que já adquiriu mil kits de testes sorológicos. Cada kit é capaz de fazer 96 testes. Os 96 mil testes serão distribuídos a todos os estados até abril e, segundo o Ministério, são suficientes para atender a necessidade de todos os municípios brasileiros.

De acordo com o Ministério, o exame só é indicado para casos mais graves, como aqueles que envolvam hemorragias ou em crianças, gestantes, idosos e portadores de doenças crônicas, e que o tratamento independe da realização do exame.

Descaso na Cidade do Rock

Lixo, entulhos de obras e poças d’água. Esse foi o cenário encontrado nesta sexta-feira pelo O DIA nas intermediações do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, local onde ficarão hospedados atletas do mundo inteiro em agosto.

Uma das áreas com sinais de abandono do setor público fica na Cidade do Rock, bem ao lado da Vila Olímpica. No local, uma imensa poça d’água serve como criadouro de larvas. O DIA entrou em contato com a Central de Atendimento da prefeitura através do 1746 e solicitou uma visita de agentes ao local. A vistoria deve ser realizada no máximo em cinco dias.

A assessoria de imprensa do Rock in Rio disse que o espaço é cedido pelo município em época de evento. A prefeitura fará a vistoria, mas informou que a responsabilidade sobre a análise das larvas é da Secretaria de Saúde, que até o fechamento desta edição não havia respondido às questões.

Aedes derruba Glenda e irrita apresentadora global

Glenda Kozlowski é mais uma vítima do Aedes Aegypt. A apresentadora do “Esporte Espetacular” pegou dengue e ontem desabafou em seu perfil no Facebook . Indigcom a doença, a jornalista confessou irritação com a falta de cuidado da sociedade brasileira com o mosquito.

“Ser derrubada, nocauteada por um mosquito é muito de quinta ‘catiguria’. Um mosquito e três doenças. Eu fico com vergonha. Vocês não? É tanta sujeira, tanta falta de higiene, tanta falta de educação, aí eu escuto, é muita falta de informação! Informação? Não! informação, não! É falta de vergonha na cara mesmo!”, escreveu ela, criticando os brasileiros.

“É a preguiça de olhar no quintal e dar uma geral, é o clube que deixa a piscina desativada de qualquer jeito, é a plantinha bonitinha que não faz faz mal a ninguém mas deixa aquela água parada que não pode, é o pneu (...) Qual é a outra razão para o mosquito se multiplicar e atacar tanto? Me diz?", opinou.
Sem Glenda, o Esporte Espetacular de amanha será com Flavio Canto e Cris Dias.

?Com colaboração da estagiária Julianna Prado

Últimas de Rio De Janeiro