Polícia apreende menor acusado de ser o autor da morte de professor peruano

Adolescente de 14 anos foi entregue aos policiais pelos próprios pais. Carlos Samanez será cremado nesta tarde

Por O Dia

A DH apreendeu na quinta-feira um menor de 14 anos acusado de matar o professor peruano Carlos Patrício SamanezReprodução Facebook

Rio - Um menor de 14 anos apontado como o autor da morte do professor peruano Carlos Patrício Samanez, de 61 anos, foi apreendido na tarde de quinta-feira. Segundo a Delegacia de Homicídios (DH) da Capital, o adolescente, morador da Mangueira, comunidade vizinha da Quinta da Boa Vista, onde aconteceu o crime, foi levado para a delegacia pelos próprios pais.

"Esse menor falou para os pais que tinha sido o autor desse latrocínio contra o professor universitário, então os pais ontem à tarde apresentaram esse menor na DPCA que nos comunicou e ele foi trazido para a DH", disse o delegado Fábio Cardoso, ao RJTV.

O delegado disse que o menor confessou em depoimento ter esfaqueado o professor universitário. "Ele confessou que foi o autor, inclusive que efetuou as duas facadas nas costas do Carlos Patrício. Então a DH solicitou a Justiça a busca e apreensão provisória cautelar dele e a Justiça aceitou", afirma Fábio Cardoso.

A DH segue investigando o caso, já que nenhum pertence da vítima foi encontrado com o adolescente. A Polícia Civil procura descobrir se há outros envolvidos no crime. O menor será encaminhado ainda nesta sexta-feira para a 2ª Vara de Infância e Juventude.

O professor da PUC-RJ e Uerj foi encontrado morto numa lagoa do parque. Ele será cremado na tarde desta sexta-feira, no Crematório São Francisco Xavier, no Caju. Claudio Samanez, filho da vítima, usou uma rede social para agradecer a solidariedade dos amigos e lamentar a forma violenta de como seu pai foi assassinado.

"Devido a brutalidade do ocorrido, o meu pai não poderá ficar muito tempo exposto. Mas agradecemos todas as mensagens de conforto e carinho que vocês enviaram, eu e minha família lemos cada uma delas e nos ajudaram a dar um pouco de conforto nesse momento tão difícil", diz.

O peruano vivia há quase 30 anos no Brasil e era professor associado da Faculdade de Economia da Uerj e professor adjunto do Departamento de Engenharia Industrial da PUC-RJ, onde era coordenador de extensão e coordenador da área de finanças.

Ao DIA, Claudio Samanez reforçou que o caso foi marcado por "total brutalidade, violência e foi uma falta de humanidade". Ele contou que o momento está sendo muito difícil para a mãe a irmã, já que eles eram "muito unidos".

"Minha mãe está devastada. Eu tenho que segurar 'as pontas' entre elas duas, mas esse momento é realmente muito difícil", ressaltou.

Últimas de Rio De Janeiro