Estado investiga 250 casos suspeitos de microcefalia

Segundo último levantamento do Ministério da Saúde, Brasil já registrou 4.107 casos suspeitos da doença

Por O Dia

Rio- No primeiro dia de utilização de drones no combate ao mosquito Aedes aegypti, o Corpo de Bombeiros identificou sete pontos de água parada em treze ruas de Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A aeronave não tripulada é a mais nova arma do Rio de Janeiro no combate ao transmissor da dengue, chikungunha e zika. Segundo o último boletim divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Saúde, o Brasil já tem 4.107 casos suspeitos de microcefalia.

No Estado do Rio, dois bebês nasceram com microcefalia. Outras 250 notificações são investigadas. O balanço aponta que, em todo o País, 950 ocorrências foram descartadas e 583 confirmadas para a má formação cerebral e outras alterações do sistema nervoso. Na semana anterior, eram 508 casos, um aumento de 14%. Ao todo, foram registrados 120 óbitos após o parto ou durante a gestação. A microcefalia em bebês está relacionada a mães que foram infectadas pelo vírus Zika, durante a gravidez.

Nesta terça-feira, uma força-tarefa composta por 800 bombeiros começou a vistoriar as residências na Baixada e na Região Metropolitana, que inclui municípios como Niterói, São Gonçalo e Itaboraí. A meta é verificar duas mil residências por dia.

Drone já iniciou mapeamento de áreas fechadas com possíveis criadouros do mosquito Aedes aegyptsDivulgação

As imagens captadas pelo drone são transmitidas para um tablet e todos os registros serão armazenados. De acordo com o comandante da operação, o tenente-coronel Rodrigo Bastos, o teste com o uso dos drones mostrou que tecnologia será uma aliada na prevenção contra o mosquito, já que os sobrevoos reduzem o tempo de monitoramento na caça aos criadouros do inseto.

O alcance das imagens captadas pelo drone vai bem além do que seria capaz de enxergar o olho humano. Sobrevoando à altura de 30 metros, o equipamento será fundamental na luta contra o mosquito até o fim do verão, garante Bastos. “É impressionante como o drone é decisivo na operação. A gente consegue mapear uma área muito grande, identificar focos de maneira rápida, em dezenas de quarteirões”, afirmou. Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os bombeiros possuem autorização para usar drone, apesar de o Brasil ainda não possuir legislação específica a respeito do uso das aeronaves.

Jejum para conter a infestação do mosquito da dengue

Enquanto cientistas correm contra o tempo para tentar descobrir uma vacina eficaz contra as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, um prefeito do interior de Goiás sugeriu à população jejuar.

Erick Marcus dos Reis e Cruz (PTB), do município de Goiandira, decretou na segunda-feira o ‘Dia de Jejum Municipal’. A ideia é que a população fique sem comer durante seis horas, entre 6h e meio-dia. O prefeito alegou que é preciso “clamar a Deus” contra a infestação de dengue na cidade. Reis convocou líderes religiosos a propor o ato em seus cultos. O município, que já tem 600 casos da doença, fez um mutirão para limpar terrenos baldios.

A prática religiosa não é uma das recomendações do Ministério da Saúde. O órgão orienta os moradores, sobretudo as gestantes, a adotarem medidas que possam eliminar criadouros. É importante manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para grávidas.

Segundo o ministério, 4% das residências vistoriadas por militares das Forças Armadas tinham larvas do Aedes. Desde novembro, militares, agentes de saúde e de endemias fazem visitas aos domicílios para eliminar focos e orientar moradores. A meta é vistoriar todas as residências do País - 40,9% dos imóveis do Brasil receberam essas visitas.

Últimas de Rio De Janeiro