Ex-secretário é preso por fraudar contratações de OS para gerir UPAs

Além de Eduardo Niebus, policiais prenderam outras oito pessoas e apreenderam motos, carros e caminhões de lixo

Por O Dia

Rio - O ex-secretário municipal de Meio Ambiente de Teresópolis, Eduardo Niebus, foi preso nesta quarta-feira acusado de participar de grupo que fraudava contratações de Organizações Sociais (OS) para gerir Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). Além dele, os agentes ainda prenderam o líder do Partido Social Liberal (PSL), Paulo Sérgio Nunes Lomenha, e outras sete pessoas envolvidas no esquema.

Durante a operação, a polícia apreendeu duas motos, dois carros e três caminhões de lixo. Ainda nesta quarta-feira, a Justiça determinou o sequestro de bens avaliados em cerca de R$ 40 milhões, entre imóveis, veículos, depósitos em contas bancárias dos investigados e de cotas de sociedades empresariais.

As investigações apontam que o grupo direcionava a escolha de contratação de algumas empresas através de licitações irregulares, a partir de prévio acordo entre gestores públicos e particulares. Eles emitiam notas falsas de serviços, além de superfaturar serviços, criar de empresas irreais e usar laranjas.

Entre os serviços contratados, estão a gestão de UPA em São José do Vale do Rio Preto e Rio das Ostras, bem como de coleta de resíduos sólidos em Teresópolis e Sapucaia. A empresa Mendes & Montorsi é a principal investigada. Segundo as investigações, ela foi contradada para o serviço de coleta de resíduos sólidos em Teresópolis, sem licitação.

A empresa foi indicada por Paulo Sérgio Nunes Lomenha, em troca de uma “comissão” em dinheiro, recebida em decorrência do acerto do contrato. A Mendes & Montorsi também pagava valores a servidores públicos municipais responsáveis pela fiscalização do contrato a título de propina, incluindo Eduardo Niebus e o ex-secretário municipal de Meio Ambiente de Teresópolis, Leandro Niebus Santos.

Participam da operação a Polícia Civil, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) e o Núcleo de Combate a Corrupção e Lavagem de Dinheiro (NUCC-LD). A ação teve início após o desdobramento do inquérito que apura a morte de Pedro Miguel de Lancastre M. Palma, em Miguel Pereira, no ano de 2014. O jornalista trabalhava em uma reportagem, que revelaria fraudes em licitações ocorridas no Poder Executivo Municipal.

"A investigação, que durou 12 meses, põe fim a uma estrutura criminosa já internalizada nas Administrações, e busca a moralidade e a eficiência nas áreas da saúde e do meio ambiente desses municípios", afirma Flávio Porto, delegado da NUCC-LD.

CPI e inquérito

A Delegacia do Consumidor abriu inquérito para investigar quem são os responsáveis pelas 300 toneladas de remédios e materiais hospitalares vencidas encontrados na Central Geral de Abastecimento, em Niterói, na última segunda-feira.

Nesta quarta-feira, o deputado estadual Paulo Ramos (Psol) conseguiu 24 das 29 assinaturas necessárias para abrir CPI sobre o tema.

Últimas de Rio De Janeiro