Justiça manda soltar irmãos acusados de participação em desvios na Saúde

Donos da Organização Social Biotech, Wagner e Valter Pelegrine, foram presos no último dia 16

Por O Dia

Rio - Presos há uma semana pela segunda vez, os donos da Organização Social Biotech, os irmãos Valter e Wagner Pelegrine, podem ser soltos de novo por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A dupla é acusada de desviar R$ 50 milhões da Saúde do município. A Justiça fluminense havia decidido que os Pelegrine retornassem ao regime fechado depois de conseguirem, em segunda instância, autorização judicial para cumprirem prisão domiciliar e eles foram presos no dia 16.

Mas, no dia seguinte, a defesa deles impetrou pedido de habeas corpus no STJ e a determinação para soltá-los foi dada um dia depois. Na decisão, o ministro relator do STJ Ericson Maranho deferiu o pedido da defesa dos irmãos e considerou que "as medidas cautelares alternativas mostraram-se suficientes".

E nesta quarta-feira, a Câmara dos Vereadores derrubou, por unanimidade, o veto do prefeito Eduardo Paes a um projeto de lei que obriga as organizações Sociais (OSs) que tenham contratos com o município a divulgarem a prestação de contas em seus sites. Foram 31 votos contra.

Agora, as empresas deverão disponibilizar os valores pagos a fornecedores e prestadores de serviço, folhas de pagamento e o demonstrativo das transferências realizadas pela prefeitura. A divulgação dos dados será feita bimestralmente. O projeto é de autoria do vereador Paulo Pinheiro (PSOL), e tramitava desde 2001 na Câmara.

Últimas de Rio De Janeiro