Mulher de diretor de bateria da Imperatriz depõe sobre suposta fraude

Diálogo entre Roberta Santiago e jurado gerou inquérito sobre irregularidade no desfile do Grupo Especial

Por O Dia

Mulher de diretor de bateria da Imperatriz depõe sobre suposta fraudeReprodução

Rio - A suposta fraude no Carnaval 2016, que veio à tona após O DIA revelar com exclusividade denúncias feitas por Laíla, diretor da Beija-Flor, ganhou outros personagens. Nesta quinta-feira, a misteriosa mulher que aparece no áudio em conversa com Fabiano Rocha — jurado do quesito bateria que estaria envolvido no esquema para beneficiar algumas escolas — prestou depoimento na Delegacia Fazendária.

A bióloga Roberta Santiago, de 40 anos, confirmou que a voz na gravação era a dela. Na conversa, o jurado e músico Fabiano Rocha diz: “É muito possível que eu vá tirar (pontos) da Beija-Flor, do Salgueiro, da Tijuca”.

Além da identidade da mulher, descobriu-se também que ela é esposa de Fabiano Cabral, diretor de bateria da Imperatriz. Segundo ela, o diálogo com o jurado foi mal interpretado pelos jornalistas.

No depoimento à polícia, ela teria dito que foi convencida por uma pessoa a entregar a gravação a Laíla. À imprensa ela negou. “A voz é a minha e confirmei para a delegada, mas não sei como Laíla conseguiu a gravação. Ele que se explique", afirmou Roberta, visivelmente assustada.

A polêmica, porém, está longe do fim. Presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira disse à polícia na terça-feira passada que o jurado, na gravação, fala em tirar pontos da Beija-Flor, do Salgueiro e da Tijuca — escola que Laíla garante teria sido beneficiada.
Castanheira afirmou também que o carnavalesco de Nilópolis está errado quando disse, em entrevista, que a Imperatriz foi citada na gravação quando, na verdade, a Unidos da Tijuca aparece na gravação.

ORELHA VAI DEPOR

A delegada Renata Araújo, responsável pela investigação, contou que convocou Orelha, diretor de bateria da Beija-Flor. O nome dele foi citado por todos os depoentes no inquérito. Orelha teria participado da gravação do áudio.

A policial diz que pretende esclarecer o mais rapidamente possível o caso. “Escutei o áudio que me foi entregue por Jorge Castanheira e vou compará-lo com o que Roberta nos entregou. O inquérito logo será concluído”, disse a delegada.

Diretor da Beija-Flor, Laíla e o ex-jurado do Grupo Especial Fabiano Rocha (afastado de suas funções antes do desfile) também prestaram depoimentos na Delegacia Fazendária.

Fernando Horta processa Laíla

O presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta, está processando Laíla, diretor de carnaval da Beija-Flor, porque ele teria atentado contra a sua honra. O diretor da escola de Nilópolis insinuou que Horta teria ligações com Fabiano Rocha, jurado do quesito Bateria envolvido na suposta fraude das notas.

Já Neguinho da Beija-Flor colocou panos quentes sobre a polêmica envolvendo o parceiro da azul e branco. Segundo o site Sambarazzo, o intérprete disse que Laíla estava de cabeça quente quando deu a entrevista ao DIA.

“É um momento que as pessoas que dão declarações estão num nível mais alto da adrenalina porque acabou de perder um Carnaval, momento dificílimo”, afirmou Neguinho.

Na véspera do Desfile das Campeãs, o colunista Leo Dias, do DIA, divulgou entrevista de Laíla na qual acusava o então jurado do quesito Bateria, Fabiano Rocha, de participar de trama para manipular o resultado do desfile.

Fabiano Rocha foi afastado pela Liesa e nunca mais será jurado, segundo divulgou a entidade.

Reportagem de Marlos Bittencourt

Últimas de Rio De Janeiro