Polícia encontra corpo de homem que foi enforcado na Zona Norte

Suspeito teria se relacionado com a vítima e foi preso no dia do sumiço. Policiais ainda estão investigando o caso

Por O Dia

Rio - A polícia encontrou, nesta sexta-feira, o corpo de um homem que foi enforcado na Tijuca, na Zona Norte. Sérgio Geraldo de Moura desapareceu na noite desta quinta-feira, após sair de casa, na Rua Ibituruna, com o seu carro por volta das 19h. De acordo a 12ª DP (Copacabana), o principal suspeito é o paulista Paulo Roberto Morelli Junior, de 23 anos, que foi preso duas horas após o sumiço da vítima e responderá pelo crime de latrocínio consumado.

Os agentes encontraram o acusado perto de um quiosque na Avenida Atlântica, em Copacabana, com um veículo e três cartões de crédito em nome de Sérgio, que era leiloeiro. Além disso, ele ainda levava 18 relógios e dez perfumes importados. Os policiais desconfiaram dos objetos e encaminharam Paulo para a 12ª DP. 

Depois, os parentes da vítima foram ouvidos na delegacia e contaram que Sérgio estava se relacionando com o acusado e se identificava como "Ted Jean". De acordo com o delegado da titular, Deoclécio de Assis Filho, o suspeito estava em São Paulo e já estava fugindo no Rio por causa de outro crime parecido.

"Caso seja condenado, o autor pode pegar de 20 a 30 anos de prisão. Estamos investigando para saber se ele tinha cometido outros crimes em São Paulo", explicou o delegado.

Na terça-feira, corpo de homossexual assassinado foi identificado na Baixada

O corpo de Anderson dos Santos, de 27 anos, foi identificado na última terça-feira, no IML de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.  Parentes da vítima que procuravam pelo rapaz fizeram o reconhecimento e foram à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) para acompanhar o caso. O jovem foi encontrado morto no bairro Sargento Roncalli, em Belford Roxo no início do mês de fevereiro.  Anderson estava desaparecido desde o último dia 3 quando saiu de casa, em Duque de Caxias, para um encontro com outro rapaz que ainda não conhecia pessoalmente, apenas mantinha contato pela internet. 

O corpo foi encontrado dois dias depois do desaparecimento com sinais de golpes de paus e pedras por todo o corpo e o rosto desfigurado. Em depoimento na delegacia especializada, familiares disseram acreditar que o jovem fora vítima de crime motivado por homofobia. Anderson foi enterrado na última quinta-feira no Cemitério de Marapicu, em Nova Iguaçu


Últimas de Rio De Janeiro