Após acusações, Leona Cavalli quer processar mãe de neto de Chico Anysio

Posts de Brita Brazil e atriz em rede social confundiram internautas sobre seita

Por O Dia

Rio - Um dia após a cremação do corpo de Rian Brito, neto do humorista Chico Anysio, dezenas de especulações sobre a causa da morte foram publicadas, nesta segunda-feira, no Facebook. A mãe do rapaz, Brita Brazil, e a atriz Leona Cavalli trocaram farpas na internet.

Leona publicou texto em solidariedade à família de Rian. A partir disso, Brita fez comentários que levaram internautas a suspeitar do envolvimento da atriz no desaparecimento do rapaz, por ter ela iniciado o jovem na seita Porta do Sol. A seita utiliza a planta ayahuasca (Santo Daime) em chás e rituais para desenvolver o espírito dos integrantes. Leona confirmou ter iniciado o jovem na Porta do Sol. Disse que Rian esteve por quatro vezes no local, uma delas com Brita, em 2014. Mas garante que não o vê desde então.

Brita teria insinuado que Leona convertera Rian ao Porta do SolReprodução

Tássia Camargo, atriz e amiga de Brita, a apoiou, publicando: “Minha amada Brita Brazil, se ela fosse humana, o que parece não ser, teria te procurado”. Em nota enviada por sua assessoria, Leona afirma estar espantada com o ocorrido e que vai à Justiça para se defender de supostas acusações, além de processar Brita por injúria, calúnia e difamação. “A atriz ficou surpresa com a menção ao seu nome no caso e já esclareceu tudo em texto no Facebook. Está tomando as medidas judiciais cabíveis, como direito de resposta”, diz a nota.

Ana Vitória Vieira Monteiro, fundadora da Porta do Sol, rebateu pelo Facebook supostas acusações sobre a seita ter algum envolvimento com a morte de Rian. E ameaçou processar quem caluniar ou distorcer palavras de integrantes da seita. Desaparecido desde o dia 23 de fevereiro, Rian foi encontrado morto numa praia de Quissamã, quinta-feira passada.

A Polícia Civil, que investiga o caso, divulgou nota informando que a Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA) só poderá se pronunciar sobre o caso após a conclusão do inquérito.

?Reportagem de Marlos Bittencourt

Últimas de Rio De Janeiro