Com 'UPP modelo', Dona Marta vive clima de tensão

Sede da primeira unidade, morro tem frequentes tiroteios, morte e apreensões

Por O Dia

Rio - O clima é de tensão desde a última sexta-feira no Morro Dona Marta, na Zona Sul do Rio, que possui a chamada ‘UPP modelo’.  Tiroteios, apreensões de munições e drogas mudaram a rotina do local, que apresentava queda nos índices de criminalidade desde que recebeu a primeira Unidade de Polícia Pacificadora do Rio, em 2008.

Informações do setor de inteligência da Polícia Militar apontaram que o morro foi alvo da tentativa de invasão por parte de traficantes que se deslocaram pela mata, no alto da comunidade.

Na mesma mata, que faz divisa com a Ladeira dos Tabajaras, ocorreu o primeiro homicídio desde que o novo modelo de policiamento foi implantado. A Polícia Civil ainda investiga as circunstâncias da morte de um jovem de 16 anos, durante confronto armado, ocorrida na madrugada do último sábado. 

Morador de Niterói, na Região Metropolitana, o adolescente passava alguns dias na casa do pai no morro, segundo moradores. Morto na mata, após troca de tiros entre policiais e traficantes, o corpo do jovem deverá ser enterrado nesta terça-feira. Agentes da 10ºDP (Botafogo), onde o caso foi registrado, ainda realizam diligências para esclarecer como ocorreu o homicídio.

Com ‘UPP modelo’%2C Dona Marta vive clima de tensãoArte O Dia

Lideranças locais, que costumavam dar entrevistas a jornalistas com a publicação dos seus nomes, mudaram o comportamento e afirmam que foram ameaçados por traficantes.  “Está muito ruim para falar. Só resta o medo, não tem em quem confiar”, disse um morador.

No último domingo, a Polícia Militar apreendeu 721 munições para uso de fuzil, além de drogas. O primeiro tiroteio após a UPP no Dona Marta ocorreu somente em 2015, sem mortes. Devido aos bons resultados, a unidade serviu de carro-chefe na reeleição de Sérgio Cabral (PMDB), em 2010, e angariou votos para seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, da mesma sigla partidária.

Obras do PAC

O projeto também englobou o investimento de R$ 46 milhões em obras do PAC. A Light usou outros R$ 3 milhões na melhoria da rede elétrica. A secretaria de Segurança Pública pretendia começar neste mês a trocar no Dona Marta parte dos fuzis por carabinas (arma de menor letalidade), mas o projeto ainda não vingou.

Especialistas analisam que ainda é cedo para avaliar o quadro. “Vários dias de confronto são preocupantes porque sugere a tentativa do tráfico de manter o espaço. É preciso aguardar para ver se é um episódio isolado ou uma mudança na dinâmica local”, afirmou o sociólogo Ignácio Cano.

Pezão se reúne com Beltrame nesta terça-feira

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) deve se reunir hoje com o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, para debater os casos de violência nas Unidades de Polícia Pacificadora e o direcionamento do orçamento para a pasta.

Beltrame alega que a UPP Maré ainda não foi inaugurada por conta de falta de verbas para obras de infraestrutura, apesar do efetivo já estar disponível. Além disso, pagamentos como o RAS (Regime Adicional de Serviço) e o bônus por cumprimento de metas está com pagamento atrasado, o que gera desânimo em agentes de segurança ouvidos pelo DIA.

Além dos problemas verificados na UPP Santa Marta, criminosos que estão no Morro dos Prazeres, onde também há UPP, são apontados pela Polícia Civil como os responsáveis por assaltos em bairros da Zona Sul. A UPP Caju, na Zona Portuária, foi atacada a pedradas e garrafadas, também no final de semana, por pessoas que estavam em um bar. O estado possui 38 UPPs instaladas, a maioria passando por reestruturação devido ao aumento da criminalidade.

Últimas de Rio De Janeiro