Eduardo Paes lamenta vazamento de conversa no telefone com Lula

Operação Lava Jato divulgou áudio em que prefeito cita o sítio em Atibaia, o governador Pezão e a presidenta Dilma Rousseff

Por O Dia

Rio - O prefeito do Rio, Eduardo Paes, lamentou o vazamento de uma conversa no telefone com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na noite desta quarta-feira, a Operação Lava Jato divulgou áudios obtidos após a quebra de sigilo telefônico de Lula, inclusive nesta manhã, quando ele conversou com a presidenta Dilma Roussef antes de ser anunciado como ministro da Casa Civil.

Na conversa, Paes cita o governador Luiz Fernando Pezão, a presidenta Dilma Rousseff e o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral. Em relação ao sítio em Atibaia ligado a Lula, ele pede para petista "deixar de ter alma de pobre". "Imagina se esse sítio fosse aqui no Rio, não é em Petropolis, não é em Itaipava. É como se fosse em Maricá", disse o prefeito. Enquanto isso, Lula apenas dá risadas.

Eduardo Paes lamenta vazamento de conversa no telefone com LulaHumberto Ohana / Parceiro / Agência O Dia

Além disso, no trecho, Paes elogia o mandato de Lula e de Cabral. Ele destacou que o ex-presidente tem "a gratidão e admiração". "A minha vida começou com Lula e Cabral e terminou com Dilma e Pezão", reforça o prefeito, que depois ainda solta um palavrão. Paes ainda reforça e diz "não sabe como estou sofrendo".

E o ex-presidente lembra ao prefeito que ele foi salvo pelas Olimpíadas. "Com todo problema, você ainda está abençoado por Deus por causa das Olimpíadas", afirma Lula, comparando Paes com outros prefeitos que estariam em crise. Paes concorda, mas ressalta que "se tiver Olimpíadas com Vossa Excelência e Cabral é uma coisa, mas segurar com aquele bom humor de Dilma e Pezão...".

Em entrevista ao DIA, o prefeito lamentou o vazamento da entrevista e afirmou que "tudo isso é muito ruim". "Tratava-se de uma conversa absolutamente normal com uma pessoa que ajudou muito o Rio e hoje passa por um momento difícil. Fiz apenas uma brincadeira com a origem humilde dele", se defendeu.

Leia a íntegra da conversa

?EDUARDO PAES: Conta comigo aqui. O senhor sabe da minha gratidão, minha admiração.

LULA: Obrigado, querido.

PAES: Aqui o senhor tem um soldado. Tô (sic) administrando as minhas crises também. Eu sempre tenho que falar uma coisa para o senhor: a minha vida começou com Lula e Cabral, e terminou com Dilma e Pezão (palavrão).

LULA: (risos)

PAES: O senhor não sabe como eu estou sofrendo. É uma (palavrão)!

LULA: Mas você, com todo o problema, querido, você ainda está abençoado por Deus por causa dessa Olimpíada, viu? Porque os outros...

PAES: É verdade. Verdade.

LULA: Os outros prefeitos que eu converso "tão (palavrão)".

PAES: Verdade, verdade. Mas, presidente, se tiver Olimpíadas com a Vossa Excelência e com Sergio Cabral é uma coisa. Segurar com aquele bom humor de Dilma e Pezão...

LULA: Não é fácil, querido.

PAES: Sabe aquele personagem que tinha...

LULA: Mas o teu bom humor e a tua competência superam isso, querido.

PAES: (palavrão) Mas "tamo junto" (sic) aí, presidente!

LULA: Tá bom. Obrigado, querido.

PAES: Meu carinho aí, "tamo junto" (sic). Minha solidariedade, vamos em frente nessa história. Agora, da próxima vez, o senhor me para com essa vida de pobre, com essa tua alma de pobre comprando "esses barcos de m...", "sitiozinho vagabundo", (palavrão)".

LULA: (Risadas)

PAES: O senhor é uma alma de pobre. Eu, todo mundo que fala aqui no meio, eu falo o seguinte: imagina se fosse aqui no Rio esse sítio dele, não é em Petropolis, não é em Itaipava. É como se fosse em Maricá. É uma m... de lugar!

LULA: (Risos)

PAES: Esse barquinho dele é em São Pedro de Aldeia, Araruama. Não é em Búzios nem em Angra, p...!

LULA: (Risos) (palavrão)

PAES: É um cafona. O senhor não perdeu essa sua alma de pobre. Isso que é a maior desgraça que eu estou vendo nesse processo todo, p...! (risos)

LULA: É isso. É isso. Mas eu já sabia disso. Tá bom, querido. Obrigado, Eduardo.

Últimas de Rio De Janeiro