Quatro são presos acusados de racismo contra Taís Araújo e outros famosos

Ações aconteceram no Rio, Paraná, Santa Catarina, Bahia, Minas, São Paulo e Rio Grande do Sul. Um quinto homem foi preso com pornografia infantil em um computador

Por O Dia

Rio - Cinco homens foram presos nesta quarta-feira durante a operação contra o grupo que publicou ofensas racistas na internet contra as atrizes Taís Araújo, Chris Vianna, Sheron Menezzes e a jornalista Maria Júlia Coutinho. A ação aconteceu em sete estados — Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina, Bahia, Minas, São Paulo e Rio Grande do Sul — para cumprir quatro mandados de prisão e 11 de busca e apreensão. A quinta prisão foi a de um homem que tinha em seu computador imagens pornográficas de crianças com idades entre um e cinco anos.

De acordo com o delegado Alessandro Thiers, titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, a intenção do grupo era chamar atenção e, para isso, escolhia pessoas públicas. Os integrantes do grupo, então, passavam a fazer uma série de postagens contra essas pessoas.

Atriz Taís Araújo foi alvo de comentários racistas em sua página na Internet em 2015Reprodução Internet

LEIA MAIS: Polícia faz operação para combater racismo contra a atriz Taís Araújo

Ainda segundo Thiers, havia uma espécie de "código de conduta" e os que não participassem poderiam ser punidos. Foram constados fortes indícios de que o ataque contra Tais Araújo foi premeditado e articulado entre o grupo, criado com a exclusiva intenção de praticar ataque de cunho racistas. O grupo investigado tem a temática de realizar ataques à perfis, páginas e contatos de WhatsApp motivados pelo sentimento de descriminação racial.

?Relembre o caso

Taís teve o seu perfil no Facebook atacado na noite de 31 de outubro do ano passado. Ela reagiu e anunciou que levaria o caso à polícia. Na rede social, escreveu: "É muito chato, em 2015, ainda ter que falar sobre isso, mas não podemos nos calar. Na última noite, recebi uma série de ataques racistas na minha página. Absolutamente tudo está registrado e será enviado à Polícia Federal. Eu não vou apagar nenhum desses comentários. Faço questão que todos sintam o mesmo que eu senti: a vergonha de ainda ter gente covarde e pequena neste país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça".

Em solidariedade, espalhou-se na web a hashtag #SomosTodosTaísAraújo. Em julho do ano passado, a jornalista Maria Júlia Coutinho, da Rede Globo, também foi alvo de insultos racistas na internet.

?Com Estadão Conteúdo

Últimas de Rio De Janeiro