'Maria UPP' e 'Mulher Fuzil' disputam o 'coração' de PMs de UPPs

Jovens protagonizaram briga na Internet

Por O Dia

Rio - Duas mulheres 'disputam' uma tropa de mais de 9,5 mil homens das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Não se trata se obter um posto ou vantagens na corporação, mas de quem permanece no 'coração' dos policiais militares. A pernambucana Patrícia Alves, 24 anos, conhecida como 'Maria UPP' por ter tido relações sexuais com PMs ganhou uma rival: outra jovem conhecida apenas como 'Mulher Fuzil'.

Em áudios e vídeos recebidos pelo WhatsApp do DIA (98762-8248), que não serão reproduzidos pelo conteúdo explícito e palavrões contidos, as duas discutem veementemente sobre quem é a 'rainha' dos policiais. A briga começou após a 'Mulher Fuzil' convidar PMs para uma festinha particular, o que gerou revolta na 'Maria UPP'.

Em seguida, Patrícia enviou áudios contra Maria Fuzil, que replicou as mensagens, em dos poucos trechos publicáveis. 'Minha festinha é dia 21 de abril em Jacarepaguá. Tragam cerveja e camisinhas', avisa Fuzil aos PMs. Em resposta, Maria UPP pediu que os policiais não comparecessem: "Sempre fiz tudo por vocês, vou ficar chateada se vocês forem nessa festa", avisa.

Em defesa dos PMs

Á época dos vazamentos de vídeos envolvendo Patrícia, a jovem disse não se arrepender de seu envolvimento com os PMs e afirmou que é uma grande injustiça alguns deles terem sido levados ao banco dos réus. "Eu acho uma injustiça, eles (PMs) não estavam comigo no horário de serviço, eles estavam no horário de folga. Eu que pedi para que eles colocassem a farda, por conta de uma fantasia sexual minha, eu amo a Polícia Militar e foi um momento pessoal da vida deles", disse.

Patrícia Alves, que ficou conhecida como 'Maria UPP'Reprodução Internet

Quando questionada sobre seu comportamento, ela foi enfática: "Fiz porque gosto". A morena afirmou já ter passado por todas as UPPs existentes e que faz isso há cinco anos.Patrícia disse não ter noção com quantos policiais já se relacionou, mas depois respondeu: "Mais de mil, lógico".

Em entrevista ao DIA, a morena acrescentou que a polícia está perdendo tempo com esse julgamento: "Ao invés de procurarem bandidos, eles ficam procurando policial inocente. Eles não são criminosos para serem expulsos".

Patrícia estrelou filmes pornôs após a repercussão do caso. Questionada se ainda tem relações sexuais com os PMs foram julgados, ela diz que não, mas não descarta o envolvimento com outros policiais. "Eu tenho amizades com outros PMs. A gente vai à praia, ao cinema, ao shopping e também tem relações sexuais. Mas claro, tudo no horário de folga deles. Eles são pessoas como outra qualquer e no horário de folga fazem o que querem", enfatizou.

Últimas de Rio De Janeiro