Editorial: Sempre há tempo para o bom senso

O pedido de desculpas de Botelho e a aceitação por Chico mostram que diferentes pontos de vista podem coexistir

Por O Dia

Rio - Felizmente foi contornado o episódio de mal-estar na peça ‘Todos os musicais de Chico Buarque em 90 minutos’, tema deste espaço ontem. O ator e diretor Cláudio Botelho pediu desculpas ao compositor e ao público pela descompostura, e Chico as aceitou, levando a crer que recuou da intenção de proibir o uso de sua obra pelo realizador. Melhor assim.

O caso ilustrava como o ódio e a intolerância estão dando o tom nas conversas e ações no país em tempos tão polarizados. Ainda que o desenrolar dos fatos não tenha enveredado para o embate de modo intencional, chamou a atenção como manifestações de opinião descambaram para ofensas e cegueira. Até ontem, era exemplo nítido da divisão que está fazendo mal aos brasileiros.

O pedido de desculpas de Botelho e a aceitação por Chico mostram que diferentes pontos de vista — algo fundamental em toda democracia — podem e devem coexistir. Menos açodamento, um pouco de razão e sobretudo tolerância construirão o bom senso necessário.

Últimas de Rio De Janeiro