Operação visa cumprir 65 mandados de prisão no Rio, SP e MG contra o tráfico

Três PMs e três policiais civis, responsáveis pelo tráfico de drogas e armas na região Sul Fluminense, estão entre os acusados

Por O Dia

Rio - O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, com apoio da Corregedoria Geral Unificada (CGU) e da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MPRJ (CSI/MPRJ), deflagraram, na manhã desta quarta-feira, a Operação Katitula. O objetivo é cumprir mandados de prisão preventiva contra 65 pessoas, incluindo três policiais militares e três policiais civis, responsáveis pelo tráfico de drogas e armas na região Sul Fluminense, em favelas do Rio e em cidades de Minas Gerais e São Paulo. 

Ao todo, 98 pessoas foram denunciadas. Elas são acusadas dos crimes de tráfico, associação para o tráfico, quadrilha armada, extorsão mediante sequestro, lavagem de dinheiro, corrupção ativa, corrupção passiva, tráfico de armas e venda de medicamentos proibidos. Também estão sendo cumpridos 55 mandados de busca e apreensão em diversas cidades dos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro (além da capital, municípios da Baixada Fluminense, Vale do Paraíba e Região da Costa Verde). 

Tráfico dividido em núcleos 

De acordo com a denúncia, o bando era dividido em vários núcleos: comércio de entorpecentes e lavagem de dinheiro; tráfico de armas de fogo; comércio ilícito de produtos pirateados (CDs, DVDs e roupas) e de medicamentos não autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em especial, anabolizantes e o estimulante sexual Pramil. 

Já o núcleo policial era dividido em dois: policiais civis lotados na 90ª DP (Barra Mansa), voltados à corrupção para a não repressão ao crime; e policiais militares e civis de Volta Redonda, voltados à extorsão mediante sequestro — o núcleo de traficantes de armas também contava com um PM da Baixada Fluminense. 

Eles se reuniam em uma borracharia, localizada às margens da Rodovia BR-393 (Rodovia Lúcio Meira). Nestes encontros, identificavam seus alvos e definiam a forma como se dariam as extorsões. Por vezes, faziam uso de grave ameaça, incluindo a realização de prisões forjadas. Em outras ocasiões, sequestravam a vítima, exigindo posteriormente pagamento de resgate. 

Além dos 98 denunciados, outros policiais militares serão processados na Auditoria Militar, além de um vereador com foro por prerrogativa, totalizando mais de cem envolvidos.

Últimas de Rio De Janeiro