Mortes por meningite assustam mães

Secretaria de Saúde do Rio confirma dois óbitos de crianças em bairro da Zona Oeste

Por O Dia

Rio - Duas mortes de crianças com suspeita de meningite têm assustado mães de Realengo, na Zona Oeste do Rio. Os casos, ocorridos no início do mês no mesmo bairro, foram confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde. Segundo o órgão, 93 pessoas já foram diagnosticadas com a doença este ano no Rio, 16 morreram. Em todo o ano de 2015, foram 69 mortes pela doença, com total de 542 casos.

“Levei minha filha para vacinar, custou 1.200 reais”, conta a comerciante Charbele Reis, que admite estar com medo. A menina de três anos frequenta uma creche próxima ao Colégio São Francisco de Assis, que registrou uma das mortes. “Só não dei a vacina para meningite tipo B porque estava em falta”.

Cinthya Salarini, mãe de aluno do Colégio São Francisco de Assis, está levando o menino normalmente à escola, mas afirma que muitas mães estão em pânico. “Tem mães que não estão levando e pagando caro em vacinas. A escola deu todo o suporte, sei que não há riscos”, garante.

Segundo o médico Samuel Kierszenbaum, vicepresidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Cinthya está certa: não há motivo para pânico. “As secretarias estão muito bem estruturadas. Quando tem um caso de meningite, fazem um bloqueio de foco, orientam e medicam”, disse.

Segunfo Kierszenbaum, apenas quem teve contato direto e em ambiente fechado com pessoas suspeitas de meningite devem ficar atentas. “Os principais sintomas são febre, vômito e cefaleia”, aponta. Na dúvida em relação aos sintomas, típicos de muitas doenças, deve-se procurar um médico. “Mas a melhor forma para não desenvolver doenças é lavar sempre bem as mãos e, quando puder, usar álcool em gel”, diz o infectologista.

Últimas de Rio De Janeiro