Operações no Santos Dumont serão ampliadas para atender aumento de público

Com a mudança, os voos comerciais serão operados 1h30 além do expediente

Por O Dia

Rio - Para atender mais de 1 milhão de pessoas que virão para a Olimpíada, o Governo Federal decidiu ampliar o horário de funcionamento do Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, entre os dias 3 a 23 de agosto. Com a mudança, os voos comerciais serão operados 1h30 além do expediente. O aeroporto que hoje funciona das 6h às 22h30, passará a contar com serviços até às 23h59. A medida também beneficiará voos executivos e táxis-aéreos, que terão plataformas de pouso e decolagem, à disposição na madrugada, das 22h30 às 5h59. No horário comercial, essas aeronaves sofrerão restrições. A prioridade será dos aviões de carreira.

Pousos e decolagens das aeronaves comerciais que operam no Santos Dumont poderão ser feitos até 23h59 BANCO DE IMAGENS

Segundo a Secretaria de Aviação da Presidência da República, a ampliação do horário de operação de voos comerciais é para compensar a suspensão dos pousos e decolagens durante as provas de vela que ocorrerão na Baía da Guanabara, entre os dias 8 e 18 de agosto, das 12h40 às 17h10.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) estuda uma autorização excepcional para realização de check-in e despacho de bagagem antecipado diretamente da Vila Olímpica. A medida depende de acordos entre empresas aéreas e o Comitê Rio 2016. A proposta foi apresentada à Anac com base na experiência bem sucedida durante a Olimpíada de Londres, em 2012.

De acordo com o secretário executivo da Secretaria de Aviação da Presidência da República, Guilherme Ramalho, a demanda esperada para o Santos Dumont e Galeão é de 150 mil passageiros por dia durante os Jogos. Para atender a demanda haverá um aumento de 45% no efetivo dos aeroportos, com folgas e férias de funcionários canceladas neste período. “A expansão do Galeão será inaugurada no dia 10 de maio”, afirmou Ramalho.

A capacidade do aeroporto aumentará, de 19 milhões por ano, para 34 milhões. “Vamos conseguir atender as Olimpíadas bem e o Rio de Janeiro está bem preparado”, completou ele. O secretario também declarou que a experiência aérea brasileira em grandes eventos ajudou bastante a preparar a estrutura do terminal aéreo para o evento esportivo.

O vice-diretor do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), brigadeiro Sérgio Mello, disse que a operação de voos na madrugada será feita de maneira organizada para minimizar o incômodo aos moradores dos bairros vizinhos.

A diretora de comunicação da Associação de Moradores de Santa Tereza (Amast), Claudia Schuch, disse que os moradores do bairro se queixam do intenso tráfego aéreo no Santos Dumont. “Os aviões passam em cima da gente. É assustador” criticou ela, que ficou apreensiva com a notícia. “Vai resultar em mais transtornos sonoros. Vamos ficar ainda mais assustados com a proximidade do avião sobre o bairro”, disse. 

TCU restringe novas verbas

Em entrevista coletiva, o Ministro da Justiça, Eugênio Aragão, disse que o governo federal não irá fornecer verba extra para a segurança dos Jogos Olímpicos, mesmo com a crise estadual. Aragão explicou que o Tribunal de Contas da União (TCU) restringe esse tipo de despesa, que cabe ao Estado.

O ministro falou ainda sobre ameaças terroristas durante os Jogos. Segundo ele, o Brasil tem recebido ajuda de outros países. Internamente, testes de segurança têm sido feitos a fim de prevenir possíveis casos inesperados. De um total de 45 testes, mais da metade já foi cumprida.

Sobre o futuro do diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, Aragão comentou que ainda está analisando o cenário, mas destacou os serviços prestados por Daiello à PF e ao Ministério da Justiça. Perguntado sobre a possível saída do PMDB da base do governo, o ministro refutou o assunto. “Não estou aqui querendo antecipar cenários políticos”, disse. 

Reportagens dos estagiários Carolina Moura e Caio Sartori

Últimas de Rio De Janeiro