Após recesso de Carnaval, vereadores aprovaram apenas três projetos de lei

Falta de quórum tem interrompido sessões. Nesta terça-feira, Câmara estava cheia para discussão de vendas de terrenos

Por O Dia

Rio - "Não há quórum para deliberar sobre a matéria”. O anúncio, que deveria soar como um aviso extraordinário, é rotina na Câmara de Vereadores do Rio. Desde o dia 15 de fevereiro, o primeiro pós-carnaval, foram realizadas 19 sessões na Casa, das quais apenas oito tiveram o quórum necessário de 17 vereadores para que os projetos de lei pudessem ser votados ou discutidos. Em nenhuma delas, após o recesso, a sessão foi até o final.

A situação piora ao avaliar a presença dos parlamentares no começo das sessões. Somente duas vezes, ambas em sessões extraordinárias no dia 10 de março, o quórum foi alcançado no plenário. Nos outros dias, os números mostram que, às vezes, nem dez vereadores estão presentes. Nos dias 23 de fevereiro e 9 de março, apenas cinco compareceram na hora inicial, o que impediu até mesmo o início dos trabalhos.

Esta terça-feira foi um dia atípico. Vereadores lotaram a Casa para debater a venda de terrenos em áreas nobresVitor Soares / Alerj

Todas as discussões na Câmara, desde então, só resultaram na aprovação de três projetos de lei, votados nos dias 24 de fevereiro, 10 de março e 18 de março. Outra questão diz respeito aos horários das sessões, que ocorrem às terças, quartas e quintas, das 14h às 18h. Em todas, acabaram antes do prazo. A assessoria da Casa informou que não há um motivo específico para o encerramento precoce. Uma das teses é a de que muitos parlamentares passam no plenário para registrar presença, mas não ficam até os momentos decisivos de debate e votação.

Nesta terça-feira, a casa esteve cheia para discutir a possível venda de terrenos da Prefeitura do Rio em áreas nobres da cidade. Para o vereador de oposição Jefferson Moura (Rede), esse tipo de discussão lota o plenário por causa de interesses da base aliada. O vereador Eduardão (PMDB) refuta a crítica. “Desconheço isso. Eu, por exemplo, estou sempre aqui, tanto que estou até agora (20h40)”, declarou.

Reportagem do estagiário Caio Sartori

Últimas de Rio De Janeiro