Polícia identifica autor de tiro que matou menino Ryan

Traficante conhecido como ‘Semente’ é o suspeito. Tese de execução é descartada

Por O Dia

Rio - Os criminosos que atiraram em direção ao Morro do Cajueiro, em Madureira, na Zona Norte, atingindo fatalmente o menino Ryan Gabriel, de apenas 4 anos, no último domingo, já foram identificados pela polícia. Segundo eles, o tiro de fuzil foi disparado numa distância de 100 metros, da Avenida Ministro Edgard Romero. Nesta quarta-feira, agentes fizeram uma perícia no local onde a criança foi ferida. A bala entrou pelas costas de Ryan. Uma jovem de 17 anos também foi baleada. Para investigadores da 29ª DP (Madureira), um traficante conhecido como ‘Semente’, de 18 anos, é o autor do disparo que matou Ryan.

O menino Ryan Gabriel%2C de 4 anos%2C foi morto no último domingo%2C no Morro do Cajueiro%2C em MadureiraReprodução Vídeo

Segundo as investigações, o bandido fazia parte de um grupo de traficantes que teria saído da Serrinha, favela vizinha ao Cajueiro e ocupada por uma facção rival, na tarde de domingo com uma moto e uma picape branca. Na Avenida Ministro Edgard Romero, o comboio teria parado. Semente teria saído da picape e efetuou diversos disparos para o meio do morro.

Semente não tem mandado de prisão pendente e ainda não foi indiciado pela polícia pelo homicídio. O delegado titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DH), Fábio Cardoso, negou a tese, que chegou a ser cogitada, de que traficantes atiraram na criança para se vingar do pai dele, Paulo Orlando dos Santos, o ‘Cara Feia’, preso desde 2011, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, acusado de roubo de cargas. “Investigação não aponta qualquer fato neste sentido. É uma informação descabida. Atiraram sem saber em quem iriam acertar. O menino foi vítima de bala perdida. Não teve vingança”, disse.

BRT continua sem duas estações%2C destruídas na segunda. Nesta quarta-feira%2C teve mais um protesto na Edgard RomeroJoão Laet / Agência O Dia

Menina desaparecida
O clima no bairro da Zona Norte segue tenso. Nesta quarta-feira, pelo menos seis escolas públicas, três creches e dois Espaços de Desenvolvimento Infantil (EDIs) não abriram as portas.

Nesta quarta-feira, a Avenida Edgard Romero teve protesto pelo terceiro dia seguido. Após duas manifestações devido à morte de Ryan, familiares da menina Ana Carolina Flor dos Santos, de 6 anos, foram à rua para pedir investigação no desaparecimento da criança. Ela teria sido sequestrada em Vaz Lobo, no sábado, quando brincava no portão da casa da avó, na Rua Leri.Pessoas que estavam na rua contaram à mãe que um carro prata passou pela rua e levou Ana Carolina.

Últimas de Rio De Janeiro