Polícia Civil conclui investigações sobre morte de taxistas no Chapadão

Vítimas foram confundidas com informantes da polícia. Oito suspeitos de envolvimento no crime foram identificados

Por O Dia

Rio - A Polícia Civil concluiu, nesta terça-feira, as investigações de dois homicídios ocorridos no Complexo do Chapadão, em Costa Barros, na Zona Norte, em fevereiro. De acordo com as investigações, o cabo do Exército Jorge Fernando de Costa Souza, de 24 anos, e o ex-paraquedista Cleyton Fellipe Massena de Souza, de 22 anos, foram confundidos como informantes da polícia.

Segundo as investigações da Polícia Civil, o militar Jorge Fernando da Costa Souza foi confundido pelos criminosos do Chapadão como informante da políciaReprodução Facebook

Oito suspeitos de envolvimento no crime foram identificados e são ligados ao tráfico de drogas, mas apenas dois já foram presos e os outros continuam foragidos.

LEIA MAIS

Polícia Civil identifica suspeitos de mortes no Chapadão

?Polícia encontra ossadas que podem ser de taxistas mortos no Chapadão

?Militar do Exército é torturado e morto por traficantes na Zona Norte

Além de Jorge Fernando e Cleyton, um agente do Degase, que não foi identificado, também foi sequestrados por traficantes do Complexo do Chapadão, no início de fevereiro. As vítimas trabalhavam em uma cooperativa de táxi na região.

Segundo o delegado titular da especializada, Fábio Cardoso, a versão de que as vítimas foram torturadas não é verdadeira. "Os traficantes confundiram os dois como informantes, os famosos x-9. A investigação da DH mostra isso. Sabemos que usaram o Fox Preto de um deles para desovar os dois corpos. Não teve tortura. Foram mortos a tiros", contou.

Últimas de Rio De Janeiro