Pioneira no país, Biblioteca Parque de Manguinhos comemora seis anos

Projeto tem como objetivo integrar a comunidade e a promoção da cultura por meio do incentivo à leitura

Por gabriela.mattos

Rio - Projeto pioneiro no Brasil, a Biblioteca Parque de Manguinhos, na Zona Norte, comemorou seis anos de funcionamento com uma variada programação cultural, que se estendeu por toda a tarde desta sexta-feira. Construída em parceria do governo do estado com a  União, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a biblioteca atende a um total de 16 comunidades da região, que somam cerca de 100 mil habitantes.

O projeto foi inspirado em unidades semelhantes das cidades de Medellín e Bogotá, na Colômbia. As bibliotecas parque têm como proposta a integração com a comunidade e a promoção da cultura, por meio do incentivo à leitura e ao conhecimento.

Ao longo desses seis anos, a Biblioteca de Manguinhos foi visitado até março deste ano por mais de 235 mil pessoas, usuárias tanto do acervo de 35.401 obras como das atividades culturais e de promoção da leitura desenvolvidas para a população de Manguinhos e adjacências, segundo dados da Secretaria Estadual de Cultura.

“A biblioteca é um local de convivência, trocas e aprendizagem”, disse a diretora da unidade, Claudia Thurler Ricci. Com uma área de 2,3 mil m², a unidade tem um salão principal, espaço de leitura, salas para cursos e estudos, espaço multimídia, ludoteca, café literário e um cineteatro com 200 lugares, além da sala Meu Bairro, que  atende às necessidades de reuniões e fóruns comunitários.

Os visitantes podem acessar livremente as estantes de livros e a internet, assistir a filmes, ouvir música e participar de diversas atividades culturais. Quem quiser pode também solicitar o empréstimo de um dos mais de 27 mil filmes.

Desde 2010 frequentadora da biblioteca, a cantora Mayara Luísa da Silva, de 20 anos, considera que o espaço mudou a realidade de muitos moradores da comunidade, como ela. “Aqui, uso a internet, encontro pessoas e troco ideias sobre música. Também faço parte do grupo de teatro Manguinhos em Cena”, disse.

Outro usuário, o aposentado Deocleciano Moura Faião, de 50 anos, revelou ter descoberto o talento para contista frequentando a biblioteca. “Ela abriu a minha mente. Me encontro quando estou nela”, disse.

A programação de aniversário foi aberta ao meio-dia, com a apresentação, pela Companhia Manguinhos em Cena, da leitura musicada Cena Palavra Viva,  no hall do cineteatro, que leva o nome do cineasta Eduardo Coutinho, morto em 2014. Das 13h às 15h, o Ballet Manguinhos apresentou trecho do espetáculo Andanças de Elis, seguido de show do grupo Radasha Music e de apresentação de dança do passinho.

Contação de histórias e exibição de filmes de animação também fizeram parte da programação. A festa foi encerrada no início da noite, com uma apresentação de dança de salão, no hall do cineteatro.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia