Militantes fazem grafite para cobrir mensagens de ódio no Rio

Coletivo 'À Esquerda da Praça' se mobilizou para transformar a pichação ofensiva em arte

Por karilayn.areias

Rio - As portas de estabelecimentos comerciais na Praça São Salvador, em Laranjeiras, zona sul do Rio de Janeiro, amanheceram pichadas no dia 18 com mensagens de ódio relacionadas à homofobia e a partidos de esquerda. 

Artista substitui mensagens homofóbicas em porta de estabelecimento comercial no RioAgência Brasil

O local recebe frequentemente militantes para debates e atos contra o processo de impeachment, promovidos pelo coletivo À Esquerda da Praça, que se mobilizou para transformar a pichação ofensiva em arte. O processo de impeachment teve a admissibilidade aprovada na Câmara dos Deputados no dia 17 deste mês e agora está sendo discutido no Senado.

A advogada Geórgia Mello, integrante do coletivo, disse que o grupo se sentiu agredido com a pichação e resolveu fazer uma intervenção artística, no estilo "faça arte, não faça ódio".

"Entramos em contato com o dono da papelaria, seu Luiz, e pedimos para fazer a intervenção. Ele ficou muito feliz e autorizou. Agora, os outros comerciantes viram o resultado e gostaram, então no próximo sábado [7] vamos continuar o trabalho em mais duas lojas".

O trabalho foi feito pela artista visual RafamoN. Ela disse que soube da agressão visual por meio de um amigo grafiteiro e veio voluntariamente contribuir.

"O Marcelo Joe me mandou a foto. Eu sou feminista e de esquerda, quando vi a pichação homofóbica e fascista, vim com o maior prazer".

A obra, feita na manhã de hoje, foi batizada de Pedaladas do Amor.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia