Portal paga recompensa por acusado de matar militar em briga de bate-bolas

Magno Jorge Vieira da Silva, 21 anos, foi morto, em Quintino, na madrugada do domingo de Carnaval

Por O Dia

Diego da Silva é acusado de efetuar o disparo que matou paraquedista do Exército em QuintinoDivulgação

Rio - O Portal dos Procurados divulgou nesta quarta-feira cartaz que oferece recompensa de R$ 1 mil por informações que levem à prisão de Diego da Silva, o Pretão da Caixa D’Água, de 21 anos. O jovem é acusado de efetuar o disparo que matou o paraquedista do Exército Magno Jorge Vieira da Silva, também de 21 anos, na madrugada do dia 7 de fevereiro, domingo de Carnaval, em Quintino, Zona Norte da cidade. O crime ocorreu durante uma briga de integrantes de grupos rivais fantasiados de bate-bola, também conhecidos como clóvis.

Durante um desfile dos grupos, que aconteceu nas ruas Clarimundo de Melo e Cupertino Durão, uma briga entre o grupo Sai quem Pode, e seus rivais Tortura e Alta Tensão, acabou na morte do militar. Durante a briga, segundo o delegado titular da Delegacia de Homicídios da Capital, Fábio Cardoso, Jorge Vieira que estava na festa, tentou apaziguar os ânimos entre os envolvidos, quando um tiro disparado, o atingiu no abdômen. Este tiro partiu de uma arma que estava em poder de Diego da Silva, que fugiu do local, logo após o disparo, e se encontra foragido.

O militar chegou a ser levado para o Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, mas não resistiu ao ferimento e morreu. Contra Diego, a 2ª Vara Criminal da Capital expediu mandado de prisão pelo crime de homicídio qualificado, com pedido de prisão preventiva.

LEIA MAIS:

Jovem é preso acusado da morte de militar do Exército

Militar é morto na Zona Norte em encontro de bate-bolas

Quem tiver informações a respeito da localização de Diego da Silva, denuncie pelos aplicativos de mensagens Whatsapp ou Telegram, pelo telefone (21) 96802-1650, ou Disque-Denúncia (21) 2253-1177.
Todas as informações a respeito do caso serão direcionadas à Divisão de Homicídios da Capital, que está encarregada do caso. O Portal pede à população que não investigue por contra própria, devendo repassar suas informações para os canais mencionados. O anonimato é garantido.

Últimas de Rio De Janeiro