Mulher de policial morto na Providência: 'Não esperava que isso fosse acontecer'

Pai de uma menina de 5 anos, o sargento André Luiz Vaz Nonato, 40 anos, estava prestes a se formar em engenharia. Ainda nesta quinta, outros dois policiais foram mortos no Rio

Por O Dia

Rio - Evangélico, humilde, simples e justo. Foram esses os adjetivos utilizados por familiares para definir André Luiz Vaz Nonato, de 40 anos. Sargento do Batalhão de Operações Especiais (Bope), da Polícia Militar, desde o início dos anos 2000, ele não resistiu aos ferimentos e morreu, na noite desta quinta-feira, depois que foi baleado em uma operação no Morro da Providência, na Gamboa, Região Portuária do Rio.

Casado e pai de uma menina de 5 anos, o militar não conseguiu terminar tão sonhado curso de engenharia. André estava prestes a se formar e iria abandonar o Bope assim que colasse grau. "Ele estava muito bem e feliz antes de sair de casa para seguir para a operação. Mesmo sendo policial, não esperava que isso fosse acontecer porque ele era uma pessoa muito especial, tranquilo e educado", contou a mulher do policial, Andréa de Souza Nonato, de 32 anos.

O casal estava junto há 14 anos e, de acordo com a viúva, André "sonhava em ser engenheiro mas também gostava de ser policial". Cunhado do militar, o motorista André Souza, de 31 anos, criticou as condições de trabalho às quais os policiais do Rio estão submetidos. "A gente conversava sempre sobre a polícia e ele criticava sempre as condições de trabalho. Enquanto um policial não for respeitado, isso vai continuar acontecendo", pontuou.

O corpo do policial será enterrado na tarde desta sexta-feira, às 14h, no Cemitério de Xerém, situado na Estrada Rio D'Ouro, no distrito de Duque de Caxias, Baixada Fluminense.

Na operação de inteligência realizada pelo Bope, no Morro da Providência, na noite desta quinta-feira, outros cinco suspeitos morreram. Segundo a Polícia Militar, os confrontos, que aconteceram ao longo desta madrugada, também deixaram três pessoas feridas, sendo dois policiais e um suspeito. Devido aos tiroteios, cerca de 975 alunos estão sem aula na região nesta manhã.

LEIA MAIS:

Morro da Providência tem noite e madrugada violentas

Escolas estão fechadas após confrontos no Morro da Providência

MAIS POLICIAIS MORTOS NESTA QUINTA-FEIRA

Nesta quinta-feira, ao menos outros dois policiais militares foram mortos no Rio de Janeiro. Em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, o subtenente Wilson dos Santos Miranda, 54 anos, foi assassinado em um posto de combustíveis, na Rua São João Batista, no Centro da cidade.

Lotado no 33º BPM (Angra dos Reis), ele aproveitava a folga para abastecer o carro, quando foi abordado por dois homens armados, por volta das 22h. Segundo o 21º BPM (São João de Meriti),  o militar tentou reagir e foi atingido.

O subtenente Wilson dos Santos Miranda e o cabo Fábio Julio Leite Santos foram mortos na Baixada Fluminense nesta quinta-feiraReprodução

Em Nova Iguaçu, o cabo do 20º BPM (Mesquita), Fábio Júlio Leite Santos, de 39 anos, foi morto durante patrulhamento próximo à favela da Danon. Após ser alertado por populares que homens armados estavam roubando uma churrasqueira, o militar foi checar a ocorrência. Chegando ao local informado, na Rua B, próximo à Estrada da Palhada, ele foi baleado no rosto por um bandido que estava escondido dentro da churrasqueira.

O bandido aproveitou o momento em que o militar estava caído no chão para fugir. Ele ainda roubou o fuzil do militar. O soldado Rocha, que acompanhava o cabo Júlio, chegou a trocar tiros com o criminoso, que conseguiu fugir. O bandido deixou para trás uma pistola glock .40, com a numeração raspada. Ela foi apreendida.

Os casos ocorridos em Nova Iguaçu e São João de Meriti serão investigados pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

Últimas de Rio De Janeiro