Acusado de matar jovem em arrastão na Linha Amarela tem prisão decretada

Douglas Paiva Santos da Silva, 18 anos, foi preso no domingo na Favela Fernão Cardim e foi quem atirou em adolescente

Por O Dia

Douglas Santos foi preso ontem de manhã pelos políciais da 44ª DPDeborah Martins / Agência O DIA

Rio - A prisão de Douglas Paiva Santos da Silva, de 18 anos, preso neste domingo suspeito de matar Ana Beatriz Frade, de 17 anos, foi decretada pela Justiça. De acordo com o delegado Fábio Salvadoretti, da Delegacia de Homicídios da Capital, ele foi o autor do tiro que matou a jovem me confessou o crime. 

Douglas foi preso durante uma operação da Polícia Civil na comunidade Fernão Cardim, em Pilares, Zona Norte do Rio, e também foram apreendidos dois menores.

Na ocasião, ele negou o crime, mas um dos menores apreendidos, no entanto, afirmou ter sido Douglas o autor do disparo que matou a adolescente.

“O autor do disparo foi Douglas. Ele não admite, mas um comparsa menor confirma que ele atirou. Eles já agiam na região há algum tempo, mas com armas de brinquedo. Desta vez estavam com uma única arma, um revólver calibre 38”, disse o delegado Roberto Ramos. A arma ainda não foi encontrada.

LEIA MAIS

Polícia prende suspeitos pela morte de jovem na Linha Amarela

Seis mortes em vários pontos da cidade marcam o Dia das Mães no Rio

Douglas foi reconhecido por uma policial militar que foi rendida e roubada pelo trio durante o arrastão, pouco antes de Ana Beatriz ser baleada. A policial teve a arma e a farda roubadas pelos bandidos, além do Palio vermelho que dirigia, mas conseguiu fugir. A policial estava a caminho do trabalho e prestou depoimento à 44ªDP.

A mãe de um dos menores, identificada como Marília, garantiu que o jovem estava em casa no momento do crime. Segundo ela, que passou o Dia das Mães na delegacia, o filho é funcionário da rede de supermercados Carrefour, onde trabalha no projeto Jovem Aprendiz.

Os policiais, no entanto, encontraram mensagens no celular de um dos menores avisando a um quarto suspeito, que está foragido, para fugir, logo após terem visto a notícia da morte de Ana Beatriz.

“Saiu no jornal, na net. Morreu. Escuta papo. Coe. Se tiver em casa meno (sic) ganha a pista. A Civil tá atrás”, escreveu o jovem no aplicativo Messenger, do Facebook.

Parentes e amigos lamentam morte precoce de Ana Beatriz Frade Reprodução Facebook

De acordo com o delegado Roberto Ramos, os menores informaram que Douglas efetuou o tiro porque o padrasto de Ana Beatriz não parou o veículo. Os jovens teriam se assustado com a reação do motorista e atiraram no carro.

Ana Beatriz estava no carro com o irmão de apenas dois anos e o padrasto. Eles iam para o Aeroporto Tom Jobim buscar a mãe da menina, que chegava de viagem. A jovem morava em Guarapari, no Espírito Santo, e estava no Rio para passar o Dia das Mães em família.

Moradores da região onde o crime aconteceu disseram que a morte foi uma tragédia anunciada. Arrastões ocorrem diariamente no local. Eles contaram que a PM faz blitz na região, mas os criminosos aguardam a saída dos policiais para iniciarem os roubos. 

Últimas de Rio De Janeiro