Estudantes ocupam novamente escola na Ilha do Governador

Alunos do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes tinham sido expulsos pelos colegas do 'Desocupa Mendes'

Por O Dia

Rio - Em menos de 12 horas, o Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, mudou de mãos duas vezes. Os ocupantes, que haviam sido expulsos por colegas do ‘Desocupa Mendes’, aproveitaram que o grupo havia ido embora à noite e reocuparam o colégio no fim da terça-feira, entrando pela entrada lateral.

O cenário, naquela que é uma escola modelo, com piscina, auditório, laboratório de química e sala de dança, era desolador. Vidros quebrados, carne estragando no chão, portas quebradas, horta destruída e móveis depredados formavam a cena que a equipe do DIA encontrou na unidade.

Moradores do Rio estão tendo de esperar%2C em média%2C 36 horas para poder sepultar os seus familiares Márcio Mercante / Agência O Dia

Alunos do Ocupa e Desocupa se acusam de terem depredado a escola. O único consenso é que a unidade foi alvo de vandalismo. “Tacaram extintor e água da mangueira de incêndio na gente e ficamos presos numa sala”, conta Ana Paula Chaves, 17, estudante do 3º ano do Ensino Médio. “Arrombaram portas, tentaram jogar um menino do segundo andar. O agarramos de volta, foi horrível”, relata. Seu colega Alessandro Ribeiro, 17 anos, também do último ano, confirma: “Mais de 200 livros sumiram, uma colega está internada e um professor quebrou o dedo ao ser agredido”, relata.

Já Josi Martins, 16 anos, aluna do 2º ano e uma das lideres do Movimento Desocupa Mendes, nega as acusações e garante que as depredações teriam sido feitas pelos próprios integrantes do Ocupa Mendes para tirar a legitimidade do movimento. “Por que iríamos deixar comida estragar e arrancar verduras?”, questiona. “Houve agressões dos dois lados, mas nunca ameaçamos jogar ninguém do 2º andar. Apenas nos defendemos", diz.

O Sindicato dos Profissionais de Educação do Estado do Rio (Sepe/RJ), acompanhou os ocupantes nesta quarta-feira e afirmou que continuará dando apoio necessário. “Hoje um dos alunos do Desocupa ficou percorrendo a escola com um pitbull”, relatou ontem, a diretora do sindicato, Florinda Lombardi. “Está claro que os ocupantes estão sendo ameaçados”, crê.

Diretor de escola ocupada é exonerado

Uma das reivindicações dos ocupantes do Mendes de Moraes foi atendida ontem: a exoneração do diretor Marcos Madeira. Segundo a Secretaria Estadual de Educação (Seeduc), os diretores adjuntos se revezarão no cargo até que seja convocada uma nova eleição, marcada para 40 dias após o fim das ocupações. Na sexta-feira, estudantes que integram o Comando de Ocupações farão uma assembleia para decidir o fim das ocupações no estado.

Últimas de Rio De Janeiro