Manifestantes fazem ato para relembrar queda da ciclovia Tim Maia

Vestidos de preto, participantes levaram faixas e cobraram respostas sobre o acidente que deixou duas pessoas mortas

Por O Dia

Rio - Dezenas de manifestantes fizeram um ato, na manhã deste domingo, no Mirante do Leblon, para relembrar a queda da ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, em São Conrado, na Zona Sul. Parte da estrutura caiu e deixou duas pessoas mortas, no dia 21 de abril, três meses após a inauguração do monumento. Com os dizeres "Queda da Ciclovia, Nós não vamos esquecer", o grupo levou faixas pedindo esclarecimentos sobre o acidente.

Manifestantes fazem ato para relembrar queda da ciclovia Tim MaiaSeverino Silva / Agência O Dia

Uma das organizadoras do ato, Claudia Medeiros contou que, momentos antes da ciclovia cair, ela havia incentivado a filha a caminhar pelo local, mas a adolescente, de 18 anos, desistiu. "Uma tragédia que poderia ter acontecido com o meu incentivo. Desde aquele dia que eu venho me angustiando e falei com o meu amigo que tínhamos que fazer alguma coisa", completou a comerciante.

LEIA MAIS

Justiça determina reabertura parcial da ciclovia Tim Maia

?Promotor estuda abrir inquérito contra Eduardo Paes por queda de ciclovia

?Peritos afirmam que houve erro no projeto estrutural de ciclovia

Claudia explicou que o protesto tinha o objetivo de cobrar respostas. Ela destacou que os cariocas ficaram sem saber o que, de fato, aconteceu naquela ocasião. "Os arquitetos e os engenheiros tiveram acesso, eles perceberam que ali era o único lugar que não tinha vegetação? A gente não sabe de nada, não tem um canal da prefeitura, nenhum local e site. Se a gente não cobrar das autoridades, a sociedade nunca vai evoluir", ressaltou.

Amigo de uma das vítimas do acidente, o fotógrafo Rogério Ehrlich, de 60 anos, participou do ato e lamentou a queda da estrutura. "As pessoas têm o direito de participar e andar pela cidade. É muito triste ver o cidadão tendo esse direito violado. É muito triste perder um amigo da forma que eu perdi", afirmou.

Últimas de Rio De Janeiro