Aumentam apreensões de veículos piratas no Rio

Alta neste ano chega a 32%, entre vans, carros e até ônibus. Segundo diretor do Detro, transporte irregular se beneficia do crescimento dos engarrafamentos

Por O Dia

Rio - Sentado em uma mureta a poucos metros da Rodoviária Novo Rio na manhã de sexta-feira, o trabalhador rural A.P., 64 anos, esperava um carro que faz transporte pirata de passageiros. Depois de aproveitar férias no Rio, o idoso com jeito simples de falar voltava para Rio das Ostras, na Região dos Lagos, onde trabalha. Ele preferiu viajar em um veículo irregular ao custo de R$ 55 para economizar R$ 8 em relação à passagem de um ônibus convencional que sai de dentro do terminal. “Do jeito que está essa crise tremenda aí, viajar por um preço mais barato é bom para a gente que tem menos condições”, disse.

A máfia do transporte pirata no estado tem desenhado uma estatística perigosa. Segundo o Detro (Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro), as apreensões de veículos que fazem o serviço sem autorização do poder público cresceram 73,4% no ano passado em relação a 2014 — foram apreendidos 6.430 veículos piratas em 2015 (571 ônibus, 1.690 vans e 4.169 outros, entre kombis, táxis e carros de passeio) e 3.708 no ano anterior (202 ônibus, 1.645 vans e 1.861 outros). Em 2016, até o último dia 20, o volume de apreensões, em menos de cinco meses, já é quase equivalente ao total de 2014: 3.274. A média diária de apreensões deste ano, de 23 veículos mostra ainda crescimento de 32% em relação ao ano passado.

Na Ilha (foto) ou na área da Rodoviária%2C ‘piratas’ atuam durante o diaAlexandro Auler / Agência O DIA

Segundo o diretor técnico operacional do Detro, João Cassimiro, de 70% a 75% dos casos estão na Região Metropolitana. Ele atribui a alta não só a um replanejamento da fiscalização, mas também aos engarrafamentos causados pelas obras em curso no Rio.

“Normalmente, o transporte pirata utiliza veículos menores, como carros e vans, que têm certa facilidade de se deslocar no engarrafamento. Porém, é uma vantagem fictícia ganhar tempo colocando em risco a integridade física”. Segundo Cassimiro, 150 profissionais fiscalizam os 13.350 veículos credenciados na frota do Detro (89 veículos para cada agente), além dos irregulares. As operações são muitas vezes realizadas com apoio dos municípios.

Kombis atuam irregularmente na Ilha

O transporte irregular atua não só em trajetos intermunicipais. Na Ilha do Governador, na sexta-feira, atrás de um ponto de ônibus da Estrada do Galeão, kombis irregulares faziam embarque e desembarque para trajetos da região. Uma delas carregava um letreiro no vidro dianteiro onde estava escrito “Peixaria”. Desde setembro, a Coordenadoria Especial de Transporte Complementar, da prefeitura, que regulamenta e fiscaliza esse serviço na cidade, proíbe a circulação de kombis e vans não licitadas no bairro.

Transporte pirata é oferecido próximo à Rodoviária Novo RioAlexandro Auler / Agência O DIA

O Detro alerta que os veículos piratas expõem os passageiros a riscos de acidente, sem garantia de qualidade, segurança ou direitos como seguro em acidentes. Os legalizados, além da vistoria do Detran, passam por vistoria anual do Detro. A multa do Detro por transporte irregular é de R$ 3.002,30, mais taxas de reboque e depósito.

O DIA mostrou esquema no ano passado

Denúncia publicada pelo DIA em agosto de 2015 mostrou o esquema do transporte intermunicipal pirata no entorno da Rodoviária Novo Rio. Nada era diferente nesta última sexta. Por uma corrida até Cabo Frio em carro particular, por exemplo, os agenciadores cobravam R$ 50. Na maioria das vezes, os passageiros precisam esperar o veículo atingir lotação de quatro pessoas para pegar a estrada. A tarifa de um ônibus na rodoviária para o mesmo destino custava R$ 72 (em alguns horários, o preço caía para R$ 49).

Para João Cassimiro, do Detro, deve haver maior integração entre os poderes de fiscalização do estado para coibir a prática. A PM informou que o 5º BPM realiza patrulhamento no entorno da rodoviária e o BPTur, dentro, tomando as providências cabíveis.

Últimas de Rio De Janeiro