O DIA prepara roteiro econômico para viajar no 'feriadão' de Corpus Christi

Saiba como fazer viagem tranquila e com gastos reduzidos para cidades que não estão entre as principais turísticas do estado do Rio de Janeiro

Por O Dia

Casimiro de Abreu é famosa pela prática de rafting nas corredeiras do Rio MacaéDivulgação / Jorge Ronald Artphoto

Rio - O feriadão de Corpus Christi está chegando e a crise econômica virou uma pedra no caminho para quem quer viajar com a família. Mas há tesouros espalhados pelo interior do estado, que não são destaques no turismo com preços para passeios bem mais acessíveis em relação aos badalados. Mesmo as distâncias mais longas, podem ser compensadas com estadias e restaurantes mais baratos, além da tranquilidade.

Nestas cidades, oásis de paz, que têm entre 10 mil e 40 mil habitantes, repousam “segredinhos” surpreendentes, cujos destinos podem ser conhecidos no estilo ‘bate e volta’ — saindo do Rio na sexta-feira, sem pegar engarrafamento, e voltando domingo cedo. Sabendo economizar, alguns passeios, para um casal e dois filhos, por exemplo, podem sair por menos de R$ 400.

É o caso de Miguel Pereira, no Centro Sul Fluminense, que fica a 112 km e a apenas 1h40 da capital. É fácil garimpar aluguéis de sítios e casas, para até seis pessoas, por valores que variam entre R$ 60 e R$ 100 a diária. Além das belas paisagens montanhosas e do sossego que cercam o município, é possível visitar, no Centro, de graça, a luxuosa e reformada Litorina (vagão ferroviário dotado de motor próprio), fabricada nos Estados Unidos há 60 anos. A composição voltará a operar num ramal regional.

Santa Maria Madalena, a 214 quilômetros, paraíso dos artesanatos minerais e rochosos, sinônimo de paz e clima tido como um dos melhores do mundo, também é uma ótima opção. Por lá, propriedades rurais, inclusive com piscinas e cavalos para passeios, podem ser alugadas por diárias de até de R$ 180, para 14 pessoas.

Para quem ama esportes radicais, Casimiro de Abreu, na Região das Baixadas Litorâneas, a 134 quilômetros do Rio, e Cambuci, no Noroeste Fluminense, a 297 quilômetros, têm encantos. A primeira, é famosa pela prática de rafting nas corredeiras do Rio Macaé. Vale a pena pagar uma taxa de pouco mais de R$ 100 e ter direito a equipamentos de segurança e orientação de profissionais. Cambuci, por sua vez, ostenta uma rampa de voo livre, de onde, a 720 metros de altura, pode-se contemplar um belo pôr do sol.

História e tranquilidade%3A Capela de 1619 em Barra de São João%2C distrito de Casimiro de Abreu. Lá fica a sepultura do poeta que deu nome à cidadeDivulgação / Jorge Ronald Artphoto

No Sul Fluminense, para os caçadores de frio, há as regiões da Serrinha do Alambari, em Resende; Ipiabas, em Barra do Piraí; Conservatória, em Valença, entre outras, que reservam sempre surpresas agradáveis, noites bem frias, comidas típicas, e tarifas razoáveis.

Imagens e boas histórias na volta

Economistas alertam: não adianta optar por viagens econômicas e depois se endividar com “lembrancinhas”, que podem se transformar em pesadelos. Cartões de crédito, só em casos de extrema necessidade. “O melhor da viagem é a lembrança. Mas não o souvenir, coisas que já se tem aos montes em casa, e, sim, do passeio raro, do momento único. E o melhor que se pode levar disso não é um copinho, um chaveirinho, uma camisa. Uma boa foto da família, por exemplo, tirada do celular, terá depois muito mais valor afetivo”, ensina Alex Campos, jornalista especializado em economia e finanças, autor do livro Faça as Pazes com o Dinheiro.

Ele afirma que é preciso refletir se tudo à venda é mesmo interessante e necessário. “Curto ou longo, um passeio turístico deve deixar sensações de satisfação em vez de lamento e arrependimento. A qualidade de uma viagem não está em quanto se gasta”, observa Alex.

Pioneira em economia criativa, Lala Deheinzelin é categórica. “Qualidade de vida não é ter coisas, e, sim, ter tempo”, garante. Alex completa, citando um professor britânico: “Foi-se o tempo de gastar dinheiro que não temos, para comprar coisas que não precisamos, a fim de impressionar quem não conhecemos”.

Últimas de Rio De Janeiro