Adolescente acusa guarda municipal de ter quebrado sua clavícula na Central

Garoto estava indo comprar lanche de bicicleta quando levou uma banda e foi imobilizado no chão

Por O Dia

Rio - Um adolescente de 14 anos teve a clavícula quebrada na Central do Brasil, no Centro, quando ia comprar um lanche na última sexta-feira. Gabriel Cardoso Esteves acusa um guarda municipal de tê-lo agredido. Segundo o menino, ele estava do lado da mãe, que é vendedora ambulante, quando saiu andando de bicicleta para comprar sanduíches, segundo reportagem veiculada no "Bom Dia Rio", na manhã desta terça-feira.

A mãe do garoto, desesperada, chegou a ver o filho caído e pediu ajuda para a Polícia Militar.

Garoto acusa guarda municipal de ter quebrado sua clavícula quando ia comprar lanche para a mãe na Central do BrasilReprodução TV

"Era mais ou menos umas 20h30 da noite quando eu passei de bicicleta para comprar o lanche para a minha mãe e desviei da van da Guarda-Municipal. Nisso, um guarda ja saiu correndo atrás de mim, deu uma banda na bicicleta e me imobilizou no chão. Ele disse que eu estava preso", relatou a vítima com o braço imobilizado. O garoto relatou também que ficou no chão com o pé do guarda em cima dele.

O pai do menino, Alcides Fernandes Esteves, questionou a atitude do guarda, que, segundo ele, é líder da Guarda. "Ela (a mãe) pegou, ao mesmo tempo, foi para dentro do quartel da guarda reclamar da ocorrência. Para surpresa dela, o próprio guarda que bateu no meu filho é o líder da guarda. Então o que acontece, dentro do quartel da guarda, ele bandou meu filho e deu um bico na clavícula do meu filho, e quebrou a clavícula do meu filho. Eu não quero que isso fique impune. Quero saber qual o resultado da autoridade deixar um líder despreparado sem o nome, sem identificação. E ele disse para mim que tem cinco filhos. Poxa, se alguém tivesse feito isso com um filho dele, como ele ia estar se sentindo?”, lamentou.

Os pais do adolescente prestaram depoimento e a polícia aguarda que o menino se recupere para também ser ouvido. Questionada, a Guarda Municipal informou que vai abrir uma sindicância para apurar o que ocorreu e que o guarda acusado foi afastado de atividades externas preventivamente até a conclusão do processo.

Últimas de Rio De Janeiro

Adolescente acusa guarda municipal de ter quebrado sua clavícula na Central O Dia - Rio De Janeiro

Adolescente acusa guarda municipal de ter quebrado sua clavícula na Central

Garoto estava indo comprar lanche de bicicleta quando levou uma banda e foi imobilizado no chão

Por O Dia

Rio - Um adolescente de 14 anos teve a clavícula quebrada na Central do Brasil, no Centro, quando ia comprar um lanche na última sexta-feira. Gabriel Cardoso Esteves acusa um guarda municipal de tê-lo agredido. Segundo o menino, ele estava do lado da mãe, que é vendedora ambulante, quando saiu andando de bicicleta para comprar sanduíches, segundo reportagem veiculada no "Bom Dia Rio", na manhã desta terça-feira.

A mãe do garoto, desesperada, chegou a ver o filho caído e pediu ajuda para a Polícia Militar.

Garoto acusa guarda municipal de ter quebrado sua clavícula quando ia comprar lanche para a mãe na Central do BrasilReprodução TV

"Era mais ou menos umas 20h30 da noite quando eu passei de bicicleta para comprar o lanche para a minha mãe e desviei da van da Guarda-Municipal. Nisso, um guarda ja saiu correndo atrás de mim, deu uma banda na bicicleta e me imobilizou no chão. Ele disse que eu estava preso", relatou a vítima com o braço imobilizado. O garoto relatou também que ficou no chão com o pé do guarda em cima dele.

O pai do menino, Alcides Fernandes Esteves, questionou a atitude do guarda, que, segundo ele, é líder da Guarda. "Ela (a mãe) pegou, ao mesmo tempo, foi para dentro do quartel da guarda reclamar da ocorrência. Para surpresa dela, o próprio guarda que bateu no meu filho é o líder da guarda. Então o que acontece, dentro do quartel da guarda, ele bandou meu filho e deu um bico na clavícula do meu filho, e quebrou a clavícula do meu filho. Eu não quero que isso fique impune. Quero saber qual o resultado da autoridade deixar um líder despreparado sem o nome, sem identificação. E ele disse para mim que tem cinco filhos. Poxa, se alguém tivesse feito isso com um filho dele, como ele ia estar se sentindo?”, lamentou.

Os pais do adolescente prestaram depoimento e a polícia aguarda que o menino se recupere para também ser ouvido. Questionada, a Guarda Municipal informou que vai abrir uma sindicância para apurar o que ocorreu e que o guarda acusado foi afastado de atividades externas preventivamente até a conclusão do processo.

Últimas de Rio De Janeiro