Barra em Dia: Fórum de segurança apresenta soluções

Evento foi organizado pela ABIH-RJ e Acir, no último dia 18

Por O Dia

Rio - No ultimo dia 18, a ABIH-RJ (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro ) e Acir (Associação Comercial e Industrial do Recreio dos Bandeirantes) realizaram, no Windsor Barra, a XV edição do Fórum de Segurança Pública com a presença de vários hoteleiros e também de autoridades para discutir o tema da segurança na região da Barra da Tijuca. O evento foi presidido por Alfredo Lopes, presidente das entidades organizadoras.

Prestigiado

Fórum teve a mediação da coluna Barra em Dia %2C do jornal O DIABarra em Dia

Entre as autoridades presentes estavam o Secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, o Chefe da Polícia Civil, Delegado Fernando da Silva Veloso, e o secretário executivo da Prefeitura do Rio, Pedro Paulo de Carvalho.

Big Brother - I

O encontro marcou também a apresentação da nova Associação Comunitária Bairro Seguro (ACBS), uma entidade civil, sem fins lucrativos, que abrange a região da 31º Área Integrada de Segurança Pública (AISP - Barra, Recreio e Vargem Grande).

Big Brother - II

Alfredo Lopes liderou encontro com as principais entidades da Barra. Beltrame elogiou a iniciativa da sociedade civil organizadaBarra em Dia

Rodrigo Taveira, do grupo Unicad, apresentou o novo projeto de monitoramento da Associação Comunitária Bairro Seguro (ACBS), que visando o reforço da efetividade do policiamento preventivo e ostensivo na região, vai compartilhar as imagens das câmeras de seguranças privadas com as autoridades competentes. O monitoramento ajudará a identificar o deslocamento das manchas criminais, como são chamadas as áreas com maior registro de ocorrências. “São mais 105 câmeras monitoradas diariamente por oito pessoas em uma sala de monitoramento própria. Vamos compartilhar essas imagens através de streaming para a central da prefeitura. Todo esse monitoramento e também o streaming não terão qualquer custo para os cofres públicos. O projeto de monitoramento é 100% custeado pela iniciativa privada” disse Taveira.

O fórum de segurança lotou o salão do Windsor BarraBarra em Dia

Beltrame apoia

Sobre o monitoramento, Beltrame disse que a divulgação desses alertas precisa ser feito com muita atenção. “Hoje, com a tecnologia, nós temos a possibilidade de obter uma gama imensa de informações. Mas precisamos trabalhar essas informações com muito critério. Por exemplo, se num dia como hoje, às 19h, sair um alerta para não usarem a Avenida das Américas porque houve um assalto, os senhores já viram o nó que isso vai dar na cidade, considerando que, sem assalto, já dá nó. Quando alguém observar um homem fazendo um gesto brusco na porta de um banco, pode acionar o alarme por achar que se trata de um assalto”, alertou.

Treinamento

Para evitar problemas como este, Beltrame se comprometeu em capacitar as pessoas que vão ficar responsáveis por esse monitoramento privado no Centro de Comando e Controle de Secretaria de Segurança Pública de maneira gratuita. 

O evento, teve a mediação feita pelo jornalista Claudio Magnavita, da coluna Barra em Dia, o secretário de segurança falou que o problema da segurança pública nunca vai terminar. “Só vai terminar quando formos um país desenvolvido. Enquanto não formos, vamos ter grandes problemas de segurança pública” declarou Beltrame, que afirmou também que a cidade do Rio de Janeiro está totalmente preparada para as Olimpíadas. “São 60 mil agentes de segurança totalmente treinados e preparados. A Interpol hoje tem o nosso protocolo de Segurança como referência para grandes eventos no mundo. É um trabalho que o Rio merece e que precisa ser divulgado", afirmou o secretário.

Prefeitura

Pedro Paulo de Carvalho, secretário executivo da Prefeitura do Rio, afirmou que, diante da crise que Estado se encontra, a prefeitura tem trabalhado em parceria com o Governo do Estado e tem ajudado no pagamento dos adicionais da Polícia Militar. Segundo Pedro Paulo, a prefeitura tem investido pesado na principal forma de prevenção da criminalidade, que é investir na educação. “O maior investimento que prefeitura vem fazendo é na construção de escolas e escolas de tempo integral. Vamos completar esse ciclo de oito anos com quase 305 escolas novas, sendo que isso vai significar 35% de toda a rede da cidade em horário integral. É a semente para os futuros arquitetos, futuros advogados, médicos e não futuros marginais ou futuros assaltantes”, concluiu.

Claudio.magnavita@odia.com.br

Últimas de Rio De Janeiro