Por gabriela.mattos

Rio - Com anelina de várias cores e sal grosso, os tradicionais tapetes de sal deram cor a entrada da Catedral Arquidiocese, no Centro do Rio. Fiéis de várias paróquias ao redor da cidade se reuniram para prestigiar o dia de Corpus Christi e participaram de atividades, entre elas missas rezadas pelo Arcebipso do Rio, o cardeal Dom Orani Tempesta, que falou sobre a corrupção no país atualmente e aconselhou a sociedade a fazer o bem. "Vivemos momentos difíceis, mas temos que manter o amor", disse.

Para comemorar o Corpus Christi%2C fiéis fizeram tapetes de sal na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. O cardeal Dom Orani Tempesta celebrou missa Igreja de Sant'AnaEstefan Radovicz / Agência O Dia

Antonia Lurdes, de 65 anos, chegou na Catedral antes do sol nascer, às 4h da manhã. "São dez anos fazendo tapete de sal, mas meu primeiro ano nessa Catedral", disse ela, que antes fazia na sua igreja em Madureira, Zona Norte do Rio. "Sempre me emociono nessa atividade e fico até o final", completou. "Espero que daqui para frente de hoje, muita paz e amor aconteça no mundo", concluiu.

VEJA GALERIA DE FOTOS

Elaine Pires, de 44 anos, não esconde sua devoção ao fazer algo para o Sagrado. "É uma arte para Jesus. Isso me deixa tão feliz", comentou. "Usamos materiais não perecíveis, como cerragem e sal", acrescentou.

Para comemorar o Corpus Christi%2C fiéis fizeram tapetes de sal na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro. O cardeal Dom Orani Tempesta celebrou missa Igreja de Sant'AnaEstefan Radovicz / Agência O Dia

O Padre Ramon Nascimento, responsável pelos tapetes de sal, explicou que essa tradição é de influência europeia. "Só aqui no Brasil são 10 anos de tradição. O Arcebipo Dom Orani é o unico que pisa em cima deles em sua passagem até o altar", finalizou.

Na missa rezada pela manhã, pelo Arcebispo Dom Orani, arrastou centenas de fiéis para a Igreja de Sant'Ana, no Centro do Rio. Em suas palavras, Dom Orani citou a corrupção como um pecado a ser evitado. "Precisamos ajudar nosso país cada vez mais. Temos que ter responsabilidade e compaixão pelo outro", declarou.

Reportagem da estagiária Carolina Moura

Você pode gostar