Jovem vítima de estupro coletivo pode deixar o estado por conta de ameaças

Subsecretária de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos disse que nível de ameaça é 'altíssimo'

Por O Dia

Rio - A jovem de 16 anos, vítima de um estupro coletivo na comunidade São José Operário, na Praça Seca, pode deixar o estado a qualquer momento. A decisão, prevista no programa de proteção à testemunha em que ela está inserida, foi tomada após ser constatado o gravíssimo nível de ameaça que ela está sofrendo, correndo risco de vida. No bairro onde ocorreu o crime, moradores protestaram contra acusação de estupro. 

"Estamos preocupados com o nível de ameaça e tem uma equipe bem treinada para fazer o acompanhamento. É provável que ela vá para outro estado porque o caso dela é grave", disse Andrea Sepulveda, subsecretária estadual de Defesa e Promoção dos Direitos Humanos, nesta segunda-feira.

Jovem foi vítima de estupro coletivo na Praça SecaReprodução TV Globo

A adolescente chegou à secretaria acompanhada da avó, dos pais e do seu filho de 3 anos. Está está amparada pelo Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM). O grau de ameaça subiu de quinta para sexta-feira, segundo a subsecretária, e prevê até mesmo a saída do país.

Ainda de acordo com Andrea Sepúlveda, a família está disposta a recomeçar fora do Rio. O programa tem duração de dois anos, podendo ser prorrogada caso o risco continue. Os recursos são do Governo Federal.

Protesto contra acusação de estupro

No bairro onde fica a comunidade onde a adolescente sofreu o abuso, moradores e motociclistas realizaram um protesto contra a acusação de estupro. Eles fecharam a fechar a Rua Cândido Benício, na altura do BRT da Praça Seca. 

Com cartazes, os manifestantes protestavam dizendo que não houve estupro. A Polícia Militar foi chamada no local e dispersou a multidão usando spray de pimenta.

LEIA MAIS

Polícia Civil faz operação para prender envolvidos em caso de estupro coletivo

'A ficha não caiu ainda', diz vítima de estupro em entrevista

Moradores da Praça Seca foram às ruas para protestar contra a acusação de estuproWhatsApp O DIA (98762-8248)


Últimas de Rio De Janeiro