Renan defende urgência para projeto que aumenta pena para estupro coletivo

'É uma resposta do Senado a essa coisa brutal que aconteceu no Rio', afirmou o presidente do Senado

Por O Dia

Rio - Após uma adolescente, de 16 anos, sofrer um estupro coletivo por 33 homens, na Praça Seca, na Zona Oeste, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) defendeu urgência para a votação do projeto que aumenta a pena para este crime e pela divulgação em redes sociais. "É uma resposta do Senado a essa coisa brutal que aconteceu no Rio de Janeiro e que agrava a pena de estupro coletivo", afirmou o parlamentar.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) apresentou um projeto que endurece a pena para os casos. O projeto foi aprovado nesta terça-feira, 31, na Comissão Mista de Defesa da Mulher. O objetivo de Renan é votar no plenário uma urgência para que o projeto seja apreciado ainda hoje pelo Senado e, em seguida, votar o mérito da matéria.

Nesta tarde, deputadas e senadoras fizeram protestos na porta do plenário do Senado, pedindo que a matéria fosse apreciada com urgência.

Renan Calheiros defende urgência para projeto que aumenta pena para estupro coletivoWaldemir Barreto / Agência Senado

A Polícia Civil identificou, na noite desta segunda-feira, o sétimo suspeito de participar de estupro coletivo contra a jovem. No entanto, os agentes ainda não revelaram a identidade do rapaz. Ele foi descrito pela vítima por possuir uma tatuagem em um dos braços. Um jovem com essa descrição foi localizado e interrogado pela polícia, e uma foto da tatuagem será levada para a menor para reconhecimento. Caso ele seja reconhecido, também terá seu pedido de prisão preventiva feito.

LEIA MAIS

?Jovem vítima estupro coletivo poderá mudar de nome

Polícia identifica sétimo suspeito de participar de estupro coletivo

?Polícia prende dois suspeitos de participar de estupro coletivo

Nesta segunda-feira, a polícia prendeu ainda dois suspeitos de participar de estupro coletivo contra uma jovem de 16 anos, no Morro São José Operário, na Praça Seca, na Zona Oeste. O jogador do Boavista Lucas Perdomo, de 20 anos, foi detido pelos agentes no Restaurante Capadocia, no Centro, enquanto esperava para dar entrevista à imprensa. Já Raí de Souza, de 22 anos, se entregou na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), nesta tarde. Eles responderão pelos crimes de estupro e pela divulgação dos vídeos.

?Com informações do Estadão Conteúdo

Últimas de Rio De Janeiro