Senado aprova penas mais duras para estupro coletivo

Apresentado em 2015, projeto de lei ganhou destaque após repercussão de estupro de jovem de 16 anos na Praça Seca

Por O Dia

Brasília - O Senado aprovou, nesta terça-feira, por unanimidade, o agravamento da pena para condenados por estupro coletivo, previsto no Projeto de Lei do Senado 618/2015, da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). O texto, que teve o relatório da senadora Simone Tebet (PMDB-MS), foi apresentado no ano passado, ganhou destaque após a repercussão do estupro de uma jovem no Rio de Janeiro, nesta semana.

O Código Penal estabelece pena de reclusão de 6 a 10 anos para o crime de estupro. Se for coletivo, a pena já é aumentada em um quarto, o que eleva a punição máxima para 12 anos e meio de prisão. A proposta aumenta para um terço da pena, ampliando o tempo máximo de prisão para pouco mais de 13 anos. A matéria segue agora para análise na Câmara dos Deputados.

Senado aprova penas mais duras para estupro coletivoAgência Senado

Relembre o caso

A Polícia Civil identificou, na noite desta segunda-feira, o sétimo suspeito de participar de estupro coletivo contra a jovem. No entanto, os agentes ainda não revelaram a identidade do rapaz. Ele foi descrito pela vítima por possuir uma tatuagem em um dos braços. Um jovem com essa descrição foi localizado e interrogado pela polícia, e uma foto da tatuagem será levada para a menor para reconhecimento. Caso ele seja reconhecido, também terá seu pedido de prisão preventiva feito.

LEIA MAIS

Renan defende urgência para projeto que aumenta pena para estupro coletivo

?Jovem vítima estupro coletivo poderá mudar de nome

?Polícia prende dois suspeitos de participar de estupro coletivo

Nesta segunda-feira, a polícia prendeu ainda dois suspeitos de participar de estupro coletivo contra uma jovem de 16 anos, no Morro São José Operário, na Praça Seca, na Zona Oeste. O jogador do Boavista Lucas Perdomo, de 20 anos, foi detido pelos agentes no Restaurante Capadocia, no Centro, enquanto esperava para dar entrevista à imprensa. Já Raí de Souza, de 22 anos, se entregou na Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), nesta tarde. Eles responderão pelos crimes de estupro e pela divulgação dos vídeos.

Últimas de Rio De Janeiro