Policiais que trabalham em caso de estupro não recebem hora-extra

A dívida com alguns ultrapassa os R$ 10 mil

Por O Dia

Rio - Policiais que trabalham no caso da adolescente vítima de estupro coletivo na Praça Seca estão com poucas viaturas e até sem combustível suficiente para fazer investigações e prender os criminosos. Recentemente, cada delegacia perdeu 30% da frota.

Além disso, os policiais não têm recebido hora-extra desde janeiro. A dívida com alguns ultrapassa os R$ 10 mil. Também estão com premiações em atraso. Até papel para fazer cópia de registros de ocorrências nas delegacias está em falta.

Problema olímpico

Ex-ministro dos Esportes, Ricardo Leyser (PCdoB) aceitou o convite de Eduardo Paes para assumir a vice-presidência da Empresa Olímpica Municipal. Ele se reunirá depois de amanhã com o prefeito para acertar os detalhes.

Consequências

Pré-candidata à prefeitura, Jandira Feghali (PCdoB) não gostou de saber, pelo Informe, da decisão. “As direções do partido são contra assumir cargos na prefeitura. Não fui comunicada de nada, mas, se ele fizer isso, terá consequência partidária”, disse Jandira, que tem como um dos adversários Pedro Paulo Carvalho (PMDB), candidato de Paes.

Defesa

Já Leyser, que coordenou os Jogos Pan-Americanos de 2007 e vinha sendo o homem-forte no planejamento da Olimpíada, não vê problema em aceitar o convite: “Minha participação não representa o PCdoB. Ela é pessoal, por conta da minha experiência na área”, sustenta.

Sem obstáculos

Secretário estadual de Educação, Wagner Victer enviou ontem à noite uma circular para a direção dos colégios da rede. Cobrou o fim de “obstáculos” à formação de grêmios estudantis — uma das reivindicações dos estudantes que têm ocupado escolas.

Últimas de Rio De Janeiro