Mais um acidente na CSN assusta moradores de Volta Redonda

Este é o quinto acidente registrado este ano. Nos outros quatro anteriores, houve quatro mortes

Por O Dia

Este é o quinto acidente registrado este ano. Nos outros quatro anteriores%2C houve quatro mortesFrancisco Edson Alves / Agência O Dia

Rio - A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) está apurando as causas de mais um acidente ocorrido no final desta manhã no interior da usina, em Volta Redonda, no Sul Fluminense. Um incêndio atingiu a máquina de Lingotamento Quatro do setor de Aciaria.

A densa nuvem de fumaça preta assustou os moradores no entorno da companhia, mas não deixou vítimas, segundo a própria empresa. Os acidentes vêm se repetindo com frequência na Usina Presidente Vargas. Só nos últimos 15 meses, seis operários morreram.

A assessoria de imprensa da CSN informou que uma perícia no local do acidente está sendo feito, mas tudo indica que o que houve foi um princípio de incêndio, “rapidamente controlado” pelas brigadas da usina. Os prejuízos nos equipamentos ainda estão sendo calculados, mas a assessoria garantiu que o episódio não vai impactar a produção de aço.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Sílvio Campos, voltou a criticar a direção da empresa, que não estaria priorizando a segurança dos metalúrgicos. “Este a acidente prova, mais uma vez, o sucateamento dos equipamentos da siderúrgica de Volta Redonda, que virou uma bomba-relógio. Não é de hoje que estamos alertando sobre isso. Os trabalhadores estão correndo riscos todos os dias”, advertiu Sílvio.

Entre o final de abril e meados de maio, quatro funcionários morreram, em consequência de outro incêndio grave na CSN, no dia 25 de março: Aluênio Francisco Alves Gouveia, de 31 anos, Dênis da Silva, 25, Renan Martins, 29, e  Wanderley dos Santos, 38. A Oposição Sindicato também vem fazendo sérias críticas à falhas no setor de segurança da CSN.

Fumaça assustou moradoresFrancisco Edson Alves / Agência O Dia

“Não é só os funcionários que passam a ficar cada vez mais expostos a tragédias, mas a população em geral. Será que a direção da CSN está esperando acontecer uma catástrofe para se conscientizar da importância de se investir na prevenção de acidentes?”, questiona Tarcísio Xavier, da Oposição Sindical.


Últimas de Rio De Janeiro