Para TCE, ainda não há segurança suficiente para operação da Linha 4

Período de testes sem passageiros foi encurtado por causa do atraso das obras nas estações do metrô

Por O Dia

Rio - Relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE), apresentado nesta quinta-feira, afirma que não há segurança para a operação da Linha 4 do metrô, que será inaugurada na abertura da Olimpíada, em 5 de agosto, ligando Ipanema à Barra da Tijuca. De acordo com o presidente do órgão, Jonas Lopes de Carvalho, o período de testes dos trens — denominado de “marcha branca” — foi encurtado por conta do atraso nas obras.

Os testes da Linha 4 começaram no dia 1º de junho e vão terminar no dia 31 de julho e, segundo ó órgão, não haverá testes com passageiros. Esta etapa, de acordo com o TCE, deveria ter sido iniciada em outubro de 2014 e terminado até setembro de 2015. De outubro de 2015 a janeiro de 2016 seriam realizados testes com passageiros para que o metrô fosse aberto em fevereiro deste ano. “O período de testes foi encurtado de um ano para dois meses. Isso é preocupante. A sugestão é que o estado se organize para que não ocorra nenhum acidente durante os Jogos”, destacou o presidente.

Presidente do TCE-RJ%2C Jonas Lopes de Carvalho apresentou relatório sobre obras da Linha 4 do metrô%2C nesta quinta-feiraLuis Araujo / Agência O Dia

Segundo o relatório, após o término da escavação o ritmo das obras era muito intenso e acelerado para uma obra tão complexa. Com isso, o cronograma diminuiu o período de testes do metrô e, dessa maneira, o TCE afirma que não pode afirmar que esses testes garantirão a segurança da chamada família olímpica. Nesta etapa, o transporte vai levar somente o público e equipe dos Jogos. Nas palavras de Lopes, “seria muito feio” um trem parar e turistas terem que descer nos trilhos durante o evento.

A sugestão é que o estado se organize para que não ocorra nenhum acidente durante os Jogos", destacou o presidente, que acrescentou ainda que o metrô deveria ser aberto com uma capacidade menor do que a concessionária está prevendo.

Outra observação do relatório do TCE é que os trens vão operar com sistema manual, já que a pilotagem automática só estará implantada no fim do ano. Ainda segundo Jonas, a não utilização do piloto automático deve gerar intervalos maiores.

Governo garante prazo dos testes

A Secretaria Estadual de Transportes informou que, de acordo com o contrato de concessão, está estabelecido o período de 90 dias para realização do comissionamento e testes de sistemas. Ainda segundo a secretaria, os testes dos sistemas foram iniciados em janeiro e o teste do material rodante em junho de 2015, respeitando o disposto no contrato. Ainda segundo a secretaria, o prazo de testes adotado na Linha 4 leva em consideração todos os procedimentos de segurança já adotados desde a inauguração do metrô, em 1979, consideradas normas internacionais de segurança.

O término das obras da Linha depende ainda de liberação de empréstimo de R$ 1 bilhão do governo federal. O Governador em exercício, Francisco Dorneles, afirmou uma operação junto ao Banco do Brasil já foi aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado e pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Com o financiamento, o Estado pretende pagar à União o que deve, habilitando-se assim a conseguir o aval do Tesouro para a liberação do crédito da obra junto ao BNDES. “Temos esperança que isso ocorra até o fim do mês”, disse Dornelles.

Reportagem do estagiário Luis Araújo

Últimas de Rio De Janeiro