'Entre tiros e bombas, começamos mais um dia no Complexo da Penha', diz moradora

Favelas pacificadas têm manhã violenta no Rio de Janeiro. No Jacarezinho, 620 alunos estão sem aula. No Complexo da Penha, comércio não abriu

Por O Dia

Rio - "E assim, entre tiros e bombas, começamos mais um dia no Complexo da Penha. Uma guerra que não tem fim. Ninguém sabe como começou, ninguém sabe quando vai acabar. Crianças sem aulas, trabalhadores sem poder sair de casa e os inocentes no meio dessa guerra. Não se sabe até quando. Vamos torcer para que nenhum inocente saia perdendo nessa guerra". Com o som de tiros ao fundo, uma moradora do conjunto de favelas da Zona Norte gravou o relato, compartilhado na manhã desta segunda-feira na página "Vila Cruzeiro - R.J." no Facebook.

A manhã é de violência em favelas teoricamente pacificadas do Rio. Um intenso tiroteio assusta moradores no Jacarezinho e na Vila Cruzeiro. Nas redes sociais, moradores dizem que, no Complexo da Penha, o comércio está fechado. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, as escolas da região estão funcionando normalmente. Já no Jacarezinho, a situação é diferente. Aproximadamente 620 estudantes estão sem aula. Três escolas e um Espaço de Desenvolvimento Infantil não estão sem atendendo devido ao confronto.

Em nota, o comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Parque Proletário informou que, pouco antes das 8h, policiais militares da unidade foram atacados por criminosos armados quando faziam patrulhamento na Rua 14. Houve confronto e, até o momento, não há informações sobre feridos. O policiamento foi reforçado por equipes de outras UPPs da região. Buscas estão em andamento na tentativa de localizar os autores dos disparos.

Já no Jacarezinho, o confronto ocorreu durante operação realizada pela UPP local com o objetivo de retirar barricadas montadas pelo tráfico de drogas em ruas da comunidade. A ação conta com participação de policiaisda Unidade de Engenharia, Demolição e Transporte (UEDT) do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), além de equipes de outras UPPs e do Grupamento de Intervenções Táticas (GIT) das UPPs.

Também não há registros de feridos. Ainda durante a operação, um homem foi preso e uma pistola calibre 9mm apreendida.

Últimas de Rio De Janeiro