Policiamento é reforçado em hospital onde Orelha do Alemão está internado

Traficante foi baleado em operação no Alemão. Ele pertence a mesma facção de Fat Family e era oferecido por ele R$ 20 mil

Por O Dia

Rio - O policiamento no Hospital Estadual Getúlio Vargas está reforçado desde a madrugada desta quinta-feira por conta da internação do traficante Edson Silva de Sousa, de 29 anos, o Orelha, baleado durante uma operação da Polícia Civil na noite de ontem.

Ele é apontado como o chefe do tráfico nas comunidades Nova Brasília e Fazendinha e havia uma recompensa de R$ 20 mil por sua captura. Orelha pertence a mesma facção de Fat Family, resgatado do Souza Aguiar por comparsas no fim de semana. 

A assessoria de imprensa da PM não deu detalhes sobre este reforço na unidade hospitalar. Reportagem do DIA constatou que quatro viaturas faziam a segurança na porta do Getúlio Vargas nesta manhã em pontos estratégicos.

Policiais reforçam a segurança na porta do hospital Getúlio VargasSeverino Silva / Agência O Dia

O estado de saúde do traficante ainda é considerado grave, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde.

Orelha é apontado pela polícia como um dos chefões do tráfico de drogas nas comunidades Nova Brasília e Fazendinha, no Complexo do Alemão. Ele foi baleado após trocar tiros com policiais da 21ª DP (Bonsucesso).

De acordo com o delegado Wellington Pereira Vieira, titular da unidade, o criminoso, que tem recompensa de R$ 20 mil pelo Portal dos Procurados, estava dentro de um carro com mais três comparsas. Outros dois foram atingidos e morreram. Um criminoso conseguiu escapar.

LEIA MAIS

 Suspeito de chefiar tráfico de drogas no Complexo do Alemão é baleado

Policial e moradora são baleados em tiroteio no Complexo do Alemão

Tiroteios constantes no Alemão

Durante toda esta quarta-feira, um intenso tiroteio assustou os moradores da região. Nesta manhã, uma mulher e um policial foram baleados. Depois, nesta tarde, um ônibus foi incendiado próximo à Unisuam. 

De acordo com a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Nova Brasília, eram por volta das 10h30 quando os policiais realizavam uma abordagem no Largo do Samba e bandidos atiraram, iniciando a troca de tiros. Tanto o policial quanto a moradora foram socorridos e levados para o Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, onde estão em observação. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Isabel Cristina Soares Martins apresenta estado de saúde estável.

Na noite da última terça-feira, um intenso tiroteio já tinha assustado moradores da favela Nova Brasília. Segundo o comando da UPP, por volta das 21h, os policiais realizavam uma blitz na esquina da Rua Nova com Estrada do Itararé quando criminosos armados saíram de um beco e dispararam contra eles.

Ajuda externa no resgate

Imagens das câmeras podem indicar que o bando que resgatou Fat Family do Souza Aguiar teve ajuda externa. “A DH considera que alguém colaborou com o resgate e, por isto, investiga o envolvimento de partícipes que não sejam apenas os executivos”,afirmou Fábio Cardoso, titular da Delegacia de Homicídios. Os cinco PMs que estavam no hospital — dois envolvidos diretamente na escolta — serão ouvidos hoje. A advogada de Fat Family, que o visitou antes do resgate, já prestou depoimento. O dono do Honda Fit, roubado e usado no resgate, não reconheceu os envolvidos. Na tarde desta quinta-feira, policiais levaram a companheira de Nerversino Garcia de Je-sus, suspeito de participar do resgate, para depor. A polícia não descarta chamar a mãe de Fat Family, Jurema Ladre.

Últimas de Rio De Janeiro