MPF entra com ação civil pública para impedir reconstrução de ciclovia

Trecho desabou no dia 21 de abril e deixou duas pessoas mortas. Órgão pede que seja feito um licenciamento ambiental

Por O Dia

Impacto das ondas sobre a ciclovia Tim Maia foi seis vezes mais forte do que a estrutura poderia suportarSandro Vox / Agência O Dia

Rio - O Ministério Público Federal (MPF) entrou, nesta sexta-feira, com uma ação civil pública para impedir a reconstrução o trecho da ciclovia Tim Maia, em São Conrado, na Zona Sul, que desabou no dia 21 de abril e deixou duas pessoas mortas. Na ação, órgão pediu para Justiça determina ainda que a prefeitura determine que nenhuma parte do local possa ser utilizada antes de um licenciamento ambiental "corretivo".

Além disso, o MPF pediu que o governo federal e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional intervenham no caso para fazer um estudo de impacto e risco ambiental.

Ainda nesta sexta-feira, a Polícia Civil concluiu o inquérito sobre a queda da ciclovia. Ao todo, foram 14 pessoas indiciadas por homicídio culposo no acidente que matou Eduardo Marinho Albuquerque, de 54 anos, e Ronaldo Severino da Silva, de 60 anos. 

A polícia ouviu 27 pessoas foram ouvidas, entre testemunhas e pessoas envolvidas no caso. Nas provas do inquérito policial, há informações de engenheiros, responsáveis pela obra, reconhecendo que o projeto deveria conter um estudo prévio do regime das marés e de que havia a necessidade de um plano de contingência que previsse a instabilidade das marés, como ocorreu no presente caso.

Laudo reafirma irregularidades em ciclovia

Um novo laudo sobre o desabamento de trecho da Ciclovia Tim Maia, na Zona Sul, divulgado em maio, reafirmou irregularidades encontradas no projeto executivo da obra. Para o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio (Crea-RJ), as falhas são de responsabilidade da prefeitura e das empresas Contemat e Concrejato.

Segundo o Crea-RJ, os erros ocorreram pois não foram levados em consideração estudos preliminares oceanográficos. Somente ondas de até 2,5 metros foram consideradas, no entanto, a água chegou aos 25 metros no local do acidente.

LEIA MAIS

Novo laudo reafirma irregularidades em projeto de ciclovia

Reabertura de ciclovia depende de estudos sobre impacto das ondas

?Foto de desnível em trecho da ciclovia Tim Maia em São Conrado assusta

Outro erro diz respeito ao edital de licitação, que não obrigou as empresas participantes de apresentarem uma expertise para fazer a obra. O Tribunal de Contas do Município (TCM) acredita que a presença deste ítem dificultaria a entrada de outras empresas no processo de licitação, o que não ocorreu. Além disso, não foi respeitada a lei de licitações, que determina o cumprimento das normas técnicas brasileiras.

Últimas de Rio De Janeiro