Polícia prende integrante de torcida organizada acusado de homicídio de torcedor

O torcedor estava com mandado de prisão em aberto e foi encontrado em Itaguaí por policiais do GEPE

Por O Dia

Felipe Souza Moreira%2C de 24 anos%2C torcedor do Vasco%2C morreu três dias depois de ser espancado por torcedores da Young Flu em MesquitaReprodução Internet

Rio - Foi preso na tarde desta quarta-feira em Itaguaí, um torcedor da torcida Young Flu. Ele estava com mandado de prisão em aberto, acusado de participar da morte do jovem Felipe Souza Moreira, em Mesquita, no ano de 2015. O nome do preso não foi informado pela Polícia Militar. A ocorrência foi encaminhada à 48ª DP (Seropédica).

O jovem vascaíno morreu três depois de ser espancado por torcedores do Fluminense, horas antes do clássico que ocorreu no Engenhão, na área externa da estação de trem de Mesquita, também na Baixada.

Gravações confirmam o espancamento

Na época do caso, um vídeo que mostrava os torcedores que se dizem da organizada Young Flu comemorando o espancamento dos vascaínos. "É a young, mané, é a youg p...", diz um deles. Nas imagens, dois dos agredidos estão caídos inconscientes no chão com sangue e um deles aparece despido.

De acordo com reportagem do RJ no Ar, da Record, áudios no WhapsApp mostram um torcedor revelando como foi a agressão e como eles chegaram ao local. Segundo a gravação, eles foram até Mesquita em uma kombi para encontrar torcedores do Vasco e, como revela o áudio, a intenção era agredí-los. "Já chegamos e "paulamos" (agressão a pauladas) dois de caras, arriamos dois logo", diz ele em um dos trechos. Uma parente de Felipe revelou que ele foi agredido com um pedaço de madeira. "Ele ainda conseguiu se defender, mas levou uma paulada por trás", contou.

Saiba mais: Torcedor do Vasco morre três dias após ser espancado por torcedores do Flu

Outros três torcedores do Vasco foram agredidos e foram levados para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, mas já tiveram alta. De acordo com a 53ª DP (Mesquita), um inquérito foi instaurado e testemunhas estão sendo ouvidas. Os agentes estão analisando imagens de câmeras de segurança para identificar os agressores e realizam diligências na busca de informações que possam ajudar nas investigações.

Últimas de Rio De Janeiro