Servidores estaduais ameaçam decretar greve na semana dos Jogos

Para funcionários, o pagamento de salários dos servidores da Segurança Pública é uma manobra do estado para desmobilizar todas as categorias

Por O Dia

Rio - Cerca de 50 funcionários e alunos da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) fecharam a Avenida Radial-Oeste, no sentido Centro, e tocaram fogo em lixo na via. Segundo os manifestantes, os resíduos não estavam sendo recolhidos da universidade. Um imenso congestionamento se formou na pista e motoristas subiam pelo canteiro para desviar do trânsito na manhã desta quarta-feira. 

De acordo com os servidores, hoje é o dia do Trancaço, ação em que sete portões da faculdade são trancados com cadeados para ninguém entrar, nem os membros que fazem parte da reitoria.

GALERIA: Servidores e alunos fazem protesto na frente da Uerj

Servidores e alunos fazem protesto na frente da Uerj. Lixo que não tem sido recolhido na universidade foi incendiado e bloqueou a Radial OesteFoto%3A Severino Silva / Agência O Dia

Os funcionários reivindicam o pagamento de salários atrasados, além de verba para o Hospital Pedro Ernesto, que faz parte da universidade e está prestes a fechar. 

A assistente social e integrante do comando de greve da UERJ, Perciliana Rodrigues, informou que uma possível greve poderá ser decretada na semana das Olimpíadas. "Hoje é o dia do trancaço e da construção da greve geral, que deve ser decretada na semana da Olimpíadas. O motivo dessa manifestação é denunciar o governo do estado, que investe em jogos olímpicos e Copa do Mundo, além de tirar recursos da saúde, da educação e da isenção fiscal para empresários", explicou ela.

Agentes da CET-Rio chegaram para controlar o fogo na rua e foram vaiados. Os funcionários gritaram para que os profissionais apagassem a chama da Tocha Olímpica e, não a do lixo na via.

Nesta quarta, um novo ato será realizado com funcionários das redes municipal e estadual. "O estado está pagando salário para os funcionários da Segurança Publica só para desmobilizar as categorias", enfatizou a assistente social.

Últimas de Rio De Janeiro