Apontado como suspeito de esfaquear mulher na frente da filha é espancado

Policiais militares chegaram ao local e impediram mais agressões. Homem foi preso e levado Souza Aguiar

Por O Dia

Rio - Um homem foi agredido por populares na noite deste sábado na Praça da Bandeira, na região central da cidade, apontado por moradores como suspeito de esfaquear uma mulher na frente da filha de 7 anos, crime ocorrido no Estácio na noite da última quinta-feira. Policiais do serviço de inteligência do 4º BPM ( São Cristóvão) receberam denúncia anônima de que um homem era agredido por moradores da região.

Homem foi preso por policiais do 4º BPM depois de ser espancado por populares na Praça da BandeiraReprodução

Quando os agentes da PM chegaram ao local, encontraram o homem ferido, cercado pelos moradores, ainda sendo agredido. Os policiais impediram a continuidade do espancamento e isolaram a área. O acusado foi levado ao Hospital Municipal Souza Aguiar e, segundo a PM, será ainda neste sábado levado à delegacia para prestar depoimento. 

Crime chocou o rio

A dona de casa Cristiana de Souza Andrade , de 46 anos, foi morta a facadas na frente de sua filha de 7 anos por um assaltante no Estácio. Cristiana e a filha, Maria Clara, voltavam do supermercado por volta das 20h quando um assaltante tentou puxar a bolsa dela. Cristiana reagiu e foi esfaqueada mais de uma vez no pescoço.

Apavorada, a menina Maria Clara saiu correndo no meio dos carros na rua. A mãe ainda foi atrás dela para evitar que a pequena fosse atropelada. Um taxista que passava pelo local prestou socorro e as levou para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no Centro. Cristiana não resistiu aos ferimentos na garganta e morreu.

Testemunha registrou em vídeo o socorro à vítima no Souza Aguiar. As imagens são muito fortes e mostram a menina com a roupa e os braços cobertos de sangue pedindo, aos gritos, que salvem a mãe dela. A menina se abraça a um policial militar, que pede que tirem o corpo da vítima do táxi e da frente da criança.

Amigo da família, Eduardo Cataldo, é assessor parlamentar e ficou impressionado porque o crime aconteceu no eixo que está situado o Comitê Olimpíco, o Hospital da PM e a Prefeitura do Rio. "Era um local que teoricamente deveria haver uma segurança, aconteceu por volta de 20h. Essa história de Rio pacificado é pura maquiagem", disse muito consternado.

Christiana com seus dois filhos%2C Wallace e a pequena Maria Clara%2C que presenciou a morte da mãeReprodução Internet

José Ferreira, de 48 anos, ex-marido de Cristiana e pai de Wallace, de 27 anos, filho do casal, contou que ela era uma mulher tranquila, que se relacionava bem com todos. Eu estou impressionado com a crueldade que fizeram com ela".

A menina Maria Clara foi levada para a casa de um parente. Ela sabe que a mãe foi internada no hospital, mas não contaram a ela sobre seu falecimento. Cristiana vivia com o pai de Maria Clara há três anos. 


Últimas de Rio De Janeiro