Ex-funcionária acusa gerente de lanchonete por injúria racial na Z. Norte

Chefe publicou foto de Rosilene Medeiros limpando o local, com a legenda: 'Protagonista da novela Escrava Isaura'

Por O Dia

Ex-funcionária acusa gerente de injúria racial%2C na Zona NorteReprodução Facebook

Rio - Uma ex-funcionária de uma filial da lanchonete Subway, na Rua Domingos Lopes, em Madureira, na Zona Norte, acusou a gerente do estabelecimento de injúria racial. O caso repercutiu nas redes sociais, desde o último domingo, após a mulher publicar no Facebook uma foto de Rosilene Medeiros, de 30 anos, limpando o local, com a legenda: "Protagonista da novela Escrava Isaura".

Segundo a vítima, na ocasião, a gerente estava tirando diversas fotos dos funcionários. No entanto, ao ver a foto em que aparece limpando o local, Rosilene pediu para a chefe não publicar na Internet. "Ela disse até que 'não seria louca de publicar'. Eu nem percebi quando ela tirou essa foto", contou.

Rosilene ressaltou ainda que esta não foi a primeira vez que a gerente fez comentários preconceituosos. "Teve uma vez que ela jogou fora uma carne estragada na lixeira atrás do meu caixa e depois disse que eu estava cheirando mal. Outra vez, assim que um funcionário novo entrou na empresa, ela brincou dizendo que eu 'fedia a macaca'", lembrou a ex-funcionária.

Gerente de lanchonete publicou foto de ex-funcionária com a legenda%3A 'Protagonista da novela Escrava Isaura'Reprodução Facebook

Assim como Rosilene, Carla França da Silva também destacou que foi alvo das piadas preconceituosas da gerente. "Ela falava para os funcionários que eu era cachorrinha, que latia e não mordia", acrescentou Carla, que trabalhou por três anos na lanchonete.

Segundo informações da 29ª DP (Madureira), um inquérito policial foi instaurado na unidade para apurar o caso. A polícia informou ainda que diligências foram realizadas e o procedimento será encaminhado à Justiça, ainda esta semana, com o indiciamento da autora. 

De acordo com o advogado Breno Melaragno Costa, professor da PUC-Rio, casos como este costumam resultar em penas alternativas, como doação de cestas básicas e trabalho comunitário.

Em nota, a Subway destacou que "não tolera qualquer tipo de racismo nos restaurantes da rede e o franqueado pede desculpas pelo mal-entendido". Além disso, a empresa informou que vai reforçar o treinamento dos funcionários para que esses casos não se repitam.

"A equipe é orientada para agir de forma ética, cordial e respeitosa. O franqueado responsável por esta loja tomou medidas imediatas para orientar a gerente. A rede aguarda o resultado da investigação da polícia, está colaborando com os órgãos públicos na solução do caso e adotará as medidas cabíveis", completou.

Com reportagem do estagiário Caio Sartori

Últimas de Rio De Janeiro